Terça-feira, 1 de Fevereiro de 2011

Chães e Quintais e outras terras secadais

Rasas das Moitas, tapadas e terras de vinha ocupavam, seguramente, mais de dois terços da terra agricultável. A juntar a estas terras de sequeiro havia ainda os chães e os quintais. Quanto aos chães eram, como as tapadas, propriedades muradas, por norma, em altitudes inferiores e de área mais reduzida e com uma terra mais forte, mais abrigados dos ventos prestavam-se à cultura do trigo (nomeadamente o trigo sacho), do milho, do gravanço, do tremoço. Por vezes, serviam rotativamente de nabal, de batata secadal e até de meloal. As paredes com boa exposição solar serviam para amparo a latadas. São tão disseminados que eu penso que mesmo uma pessoa tão versada como o sr Jarmeleiro terá dificuldade em os nomear, para além daqueles que são os principais, os maiores e os melhores: O Chão da Ponte (em tempos o sr Fernando arrendava as sobras das águas do pio para rega) e o Chão de S. Pedro – que do santo há-de ter sido.

 

Figos de Arroz-doce - Arronches - Portugal

Depois existe uma infinidade de quintais que se caracterizam, para além de serem de cultura de sequeiro, por terem pequena dimensão, por existirem dentro do povo ou nas suas proximidades, por serem agricultados à enxada. Complementam muitas vezes a cultura das hortas, havendo neles quase sempre árvores frutícolas: marmeleiros, figueiras, nogueiras, romanzeiras, amendoeiras como mais comuns. Neles se cultivava as couves galegas, as ervilhas, as favas, os alhos e, junto às paredes, de modo espontâneo cresciam os cardos para o coalhamento do leite. Havia alguns que de tão bem cuidados nada ficariam a dever ao jardim do Éden onde a desgraçada humanidade teve origem.

publicado por julmar às 18:08
link | comentar | favorito
7 comentários:
De Jarmeleiro a 3 de Fevereiro de 2011 às 23:03
Ora, andava eu por aqui a engonhar a ver se alguém se estrevia a dizer qualquera coisa sobre o assunto, mas nada. Estão mal avezados. Eu é que não sendo home de me negar a nenhum desafio, mais a mais tratando-se deste assunto, nunca o poderia deixar ficar em branco. Por isso aí vai o rol dos chães e dos quintais, que nem é nada que se acompare ao das tapadas ou das vinhas. Assim sendo, começo pelos chães mais conhecidos que são os da Fôrca , Depois os Chães de Concelho, os das Casas dos Moiros, os do Arressaio , os das Eiras, os do Castelo, o Chão da Regada, O Chão da Chacra, o do Enxido , o da Mina e por fim, o Chão da Cavelariça , que ficando nos arredores do castelo, deziam os antigos que era ali que que ficavam as cavelariças onde os nobres e o alcaide do castelo recolhiam as cavalgaduras. É claro que os reis dos Chães , são mesmo o da Ponte e o de São Pedro, ou não tivessem eles pertencido a gente de sangue azul, o primeiro e a um santo o outro. Quanto aos quintais, pouco há que deles se diga, a não ser nomeá-los e inda que, por serem quintais e não quintas é que estão perto do povoado e até dentro de portas. E alguns são tão piquenos que não vão alem de duas ou três chancas de terra, mais se parecendo com caleijos . Ora, de quintais temos: Os da Costa e da Fraga - bons para os alhos e árvores de fruto como cerejeiras, nogueiras e figueiras-; os quintais do Aidro, os dos Craveiros e Talainha; os do Churrião; os da Mondanha, os da Parada e mais não digo, porque os outros ou não foram batizados, ou são tão piquenos que teria que os passar à categoria de chabarnecos ou hôrtos. E agora pró seviço ficar completo só faltaria falar das hortas, dos lameiros e das regadas. Mas isso, quem manda é que sabe. Vá lá, que hoje a papa já estava bem preparada.
Munto bôa noute a todos.


De Índia a 4 de Fevereiro de 2011 às 11:52
Um homem por mais que saiba, tem sempre algo que desconhece ou, no caso, se esquece. Nada invalida a boa memória e saberes do senhor Jarmeleiro. Isto vem a propósito deste rol imenso de nomes de "chães" e certamente que ele vai dizer:"pois é verdade que me esqueci desse....". Refiro-me ao CHÃO DAS ALMAS. Nem só o S. Pedro tinha um chão, as almas também tinham o seu...quer-se dizer, era um chão colectivo a prever já um estilo de reforma agrária.
Um bom dia para todos em geral e de um modo particular para o senhor Jarmeleiro.


De Jarmeleiro a 4 de Fevereiro de 2011 às 22:34
Pois é verdade. Esquecime desse Cão e de outros. Mas vocemeçê que está toda concha e arrelampada para que eu não sobesse, bem podia ter dito onde fica. Se não sabe tome lá uma pista. Ele fica nos arredores do Largo das Nogueiras e mudou de dono há pouco tempo. E fique sabendo que alem do Chão, tamém há a tapada e o Lameiro das Almas.

Munto bôa noute.


De Índia a 4 de Fevereiro de 2011 às 23:58
Mas é claro sr. Jarmeleiro, num rol tão extenso de nomes como são estes de quintais e tantos chabarnecos, como o senhor lhe chama, algum tem de ficar para trás.
Uma boa noite e bom fim de semana.


De Anónimo a 7 de Fevereiro de 2011 às 15:48
Não tem nada a ver, mas tem tudo a haver.
Imagino este nosso conterrâneo, o tal de Jarmeleiro, homem dos seus setentas e qualquer coisa, calado, como quem tem dois ouvidos e só uma boca.
Dois olhos vivos e astutos, algo encovados de tanto mirar, de rugas emoldurados mas claros e raros.
Boca num trejeito mordaz, que no seu jeito de homem antigo, abre para deixar escapar memórias ganhas à força da prática das artes de lavoura.
Tem aquele tique, de repartir com a terra, entornando um pouco de pinga com o chão, bebendo em seguida com satisfação.
Anda direito e olha sempre para longe não vá escapar-lhe qualquer coisa.
Em tempos foi bom bailarino, mas ainda arrasta bem o pé quando a música é do seu agrado.
Tem a meu ver, a sua vida, um senão. Está longe da Vila e mata saudades, ao arrepio do tempo, deixando discorrer a memória com lembranças de tempos idos quando a vida lhe era dura mas grata.

Obrigada ti Jarmeleiro, que não sendo meu tio meu parente será, pois também na Vila os primos dos meus primos, meus primos são e disso faço gosto e satisfação.
Desejo-lhe, já agora, bem estar e saúde e que cosa o forno, e que o pão seja nosso.


De Jarmeleiro a 10 de Fevereiro de 2011 às 19:03
Vocemeçê assim ao jeito do topa que acerta, tirou-me aqui um retrato a modos que um nadinha tremido, mas que não está munto mau. Mas é a tal cousa; As pessoas vão botando o barro à parede e é claro que algum pode pegar. Vá , vá tentado pode ser que um dia acerte. E escreva: escreva pois eu sabedor de que escrevo mal, sei ver e dar valor a quem o saiba fazer bem como acontece com vocemeçê.
Uma bôa noute pra si.


De espiar com detectives a 29 de Novembro de 2011 às 01:32
nice mt thnx. disfrutei ver aquele artigo é mesmo rico, considero me fã a 100 do website. cmprmentos


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Feliz Páscoa - Mandar rez...

. Igreja da Senhora do Cast...

. Gente da minha terra

. Manto Branco

. Projeto "Tornar Vilar Mai...

. Quando a festa virou trag...

. A Vila e suas gentes

. Requiescat in pace, Elvir...

. Requiescat in pace, Maria...

. Tornar a Vila numa aldeia...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds