Domingo, 13 de Março de 2011

O pão nosso de cada dia

Em boa parte a riqueza do lavrador media-se pelo tamanho da meda e pela quantidade de fanegas (uma fanega equivalia a quatro alqueires, sendo que o alqueire teria 14 litros?)

Se atendermos que para uma fornada de 15 pães eram necessários 4 alqueires e que para abastecimento de casa eram necessárias duas fornadas, o lavrador teria de colher 24 fanegas de pão para garantir o alimento para o ano todo. Claro que a mesma quantidade de grão podia dar para fazer mais ou menos pães consoante fosse moído na pedra alveira ou borneira e do próprio apuramento ao peneirar a farinha. Se queria pão alvo (como o das padeiras) fazia menos pães e restava-lhe mais farelo para viandas dos animais domésticos, nomeadamente marranos.

Depois do dinheiro, sempre escasso, o centeio servia como principal género de troca:

Pagar ao barbeiro, pagar os Bens de Alma, pagar a Côngrua ao pároco, pagar rendas de lameiros, ou mesmo uma proporção (meias, terças) das terras centeeiras, pagar as ferragens de animais, pagar a cobrição das vacas, para citar apenas as mais usuais. E tinha ainda de garantir que ficava com a quantidade de semente necessária para a sementeira seguinte. Por isso, a arca tinha de ficar bem cheia para durar até à próxima colheita. E os anos, por vezes, eram ingratos e Maio e Junho eram meses complicados numa altura em que os dias são grandes e o trabalho árduo. Por isso, se ia pedir de empréstimo uns alqueires aos mais ricos; por isso, havia quem malhasse a cevada e dela fizesse pão; por isso, se ceifava antecipadamente um chão onde amadurecera primeiro para se socorrer.

Agradece-se a correcção das medidas a quem tenha melhores conhecimentos

publicado por julmar às 19:48
link | comentar | favorito
7 comentários:
De Vila a 13 de Março de 2011 às 22:12
E muitas vezes ceifava-se esse chão a que alude o texo no final, para se ter pão para dar aos ceifeiros que iam ceifar as restantes tapadas.


De Anónimo a 9 de Abril de 2011 às 02:10
;)






























De O Ilustrado a 14 de Março de 2011 às 15:43
A razão porque há tanta refeição nas malhas é porque se trata dos trabalhos mais duros, necessariamente feito na torreira do sol e com um ritmo elevado. Enquanto nas ceifas se bebia água, nas malhas bebe-se vinho, um energético poderoso.


De Arraiana a 14 de Março de 2011 às 17:37
Que texto didático!
Para os jóvens de hoje, este texto pouco ou nada lhes diz. Esta juventude que hoje anda "à rasca" tem que começar aprender a trabalhar a terra ou a tirar proveito dela e tratá-la melhor, para que possamos ter todos dias pão à mesa. Eu falo por mim, porque apesar de pertencer à geração do director do blog, que sabe disto "a potes" pouco sei destas lides da agricultura. Ainda sei distinguir a maior parte das arvores de fruto. Este blog´também serve para ficarmos mais ilustrados.


De Jarmeleiro a 17 de Março de 2011 às 16:39
Naqueles tempos da minha infância, na escola primária aprendiam-se cousas de grande importância, como essas das palavras começadas por -al- como almude, alfaiate alqueire e muntas outras e que foram trazidas e por cá ficaram desde o tempo dos chamados árabes, muçulmanos, sarracenos ou moiros. O alqueire, tamem foi trazido por eles e por cá ficou até aos nossos tempos, inda que a sua medida variasse conforme os tempos e os lugares. Na Vila e terras à volta, tal como diz o Dretor do blog leva 14 litros de centeio ou trigo. E isso digovos-o eu que por ter dúvidas entre os 14 ou 15 litros, me dei ao trabalho de medir plo meu alqueire. São 14 litros passando-lhe o rasoiro e só faz os 15 se for de câgulo. E o que munta gente não sabe é que o alqueire tamem podia servir pra medir a área das tapadas. Dezia-se então : É uma tapada de um alqueire, de meia, de uma, de X fanegas de semente. Os lavradores d'antão é que sabiam.
Munto bôs tardes a todos.


De ARRAIANA a 17 de Março de 2011 às 17:47
Muito obrigado sr. Jarmeleiro pela sua sapiência das coisas da lavoura. Se eu soubesse um terço do que V. Exa. sabe! Iria ainda para a Universidade da 3ª Idade a tirar um MBA sobre a Agricultura e talvez ainda fosse uma grande emppresária do ramo nas Beiras e assim contribuisse para tornar o nosso país mais produtivo e não precisassemos tanto dos nossos vizinhos espanhois.


De Jarmeleiro a 18 de Março de 2011 às 01:23
Ora... Vocemecê deixe pra lá essas cousas das universidades. Aí só se fôr pra aprender a bacinar o vivo, a capar algum marrano ou cousas assim, porque as lidas da lavoura aprendem-se mas é fazendo. Foi assim que os meus avós, meus pais (e escalhar até os seus) aprenderam e ensinaram os mais novos. Tenha vocemecê saude, pois esperta como parece, em poucos meses ao lado de quem saiba, fica a saber o princepal destas cousas. E olhe que a mim não se me vai da ideia que as terras da Vila e arredores inda voltam a ser bem amanhadas. O mundo dá muntas voltas.
Munto bôa noute.


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
24
25

27
28
29
30


.posts recentes

. Carta ao futuro president...

. Uma pedra oferecida pelo ...

. E passados vinte anos com...

. Carta aberta ao president...

. Eleições à porta. Haja o ...

. Requiescat in pace, José ...

. Família Silva Leonardo

. Tornar Vilar Maior uma Al...

. Haja o que houver, venha ...

. Quando a Festa virou trag...

.arquivos

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds