Terça-feira, 13 de Outubro de 2009

Lições da 4ª Classe

Esta era a 1ª lição

publicado por julmar às 21:18
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 12 de Outubro de 2009

Resultados eleitorais para a Assembleia Municipal, In Capeia raiana

publicado por julmar às 19:17
link | comentar | ver comentários (12) | favorito
Domingo, 11 de Outubro de 2009

António Rasteiro, homem do povo

 

 

 

António Rasteiro, homem do povo,

Completamente analfabeto

Mas rico em memórias e afectos..

Sua vida resume-se assim: criado lá em casa desde menino,

Guardando ovelhas e sonhos pelos cabeços,

Emigrou depois a salto para França,

Consumindo-se em saudades da terra distante.

António Rasteiro

Voltou, passados muitos anos voltou,

As botas cobertas da fina poeira da estrada,

E desembarcando nos meus sonhos

Saiu-me ele um dia ao caminho,

De saco cheio de memórias

Ao ombro.

 

Abrigado à sombra da velha Acácia

Escutei então algumas histórias

Ao António Rasteiro,

Que vinha do passado,

Assim… Sem pedir licença,

Com memórias da vida dos meus avós,

Da infância de minha mãe

E da sua.

 

Deixei-o entrar nos meus sonhos.

Nesta terra onde não há guarda-fiscal,

Alfândega, ferrolho à porta.

O saco vinha a abarrotar,

De histórias, de pessoas,

De memórias

Que lhe vergavam

As costas.

 

E o António Rasteiro,

Não lhe podendo mais suportar o peso,

Despejou-o ali no meio da praça,

Assim:

Recordou primeiro como eram cristalinas as águas da fonte velha

E corriam ao desdém pelo caminho, até às Entre-Vinhas;

Falou por alto dos grupos alegres de raparigas que iam lavar à ribeira;

Referiu em pormenor algumas façanhas do Nino Badana no tempo do contrabando;

Contou as peadas de rebanhos que havia no povo,

E enganando-se duas vezes, desculpou-se, fazendo a estimativa por alto;

Falou com saudade do tempo em que foi pastor em casa dos meus avós;

Lembrou quando na meninice ascendia uma grande fogueira no cabeço da Atalaia

Para se aquecer das frias e solitárias noites de pastorícia;

E numa curiosa analepse,

Saltou para a linda sopeira, que lhe aquecia os pés quando foi praça na Cova da Moura.

 

Depois, enigmático,

Concluiu:

-Ah doutor, aquilo é que eram tempos, catano!

 

João Martins 

 

 

publicado por julmar às 21:33
link | comentar | ver comentários (9) | favorito

Ó Pelourinho da Praça ...

 

 O hábito de olhar e ver sempre as coisas da mesma maneira, levam-nos a considerar que tudo está bem como está.

Observe melhor, imagine o que mudando tornaria mais belo este largo.

publicado por julmar às 16:21
link | comentar | ver comentários (60) | favorito
Sexta-feira, 9 de Outubro de 2009

Pequenas Obras Públicas

Em tempos li um belo livro  O Deus das Pequenas Coisas , de Arundhati Roy que nos narra a história de três gerações no sul da ìndia de uma família que se espalha por todo o mundo e que se reencontra na sua terra natal. Muitas pequenas histórias que fazem uma história maior. Sempre as coisas grandes são feitas de pequenas coisas. A maior parte das coisas que na vila estão mal são apenas pequenas coisas (desarrumadas, sujas, mal deitas, fora de sítio...).

Vem isto a propósito da pequena obra da fotografia: embeleza a entrada da vila - uma boa ideia, uma boa obra.

publicado por julmar às 08:47
link | comentar | ver comentários (30) | favorito
Quarta-feira, 7 de Outubro de 2009

Histórias quase reais - Quando a terra ruge

O rapazito apascentava as cabras e ovelhas que, no lameiro cercado de parede, lhe davam o sossego para emigrar para o reino da fantasia e até o Farrusco, sempre vigilante, se veio sentar junto do pastor que farto do tempo que não passa se deitara sobre a erva costas assentes no solo olhando os farrapos de nuvens que o vento leve ora separava, ora unia desenhando no céu figuras de objectos, de animais de velhos, de crianças e, frequentemente, de bruxas. Às tantas, começa a ouvir um estranho rugido que parecia vir das entranhas da terra. Apura o ouvido contra o solo e … um ruído surdo. Para e volta a vir … umas vezes mais demorado, outras mais rápido. Por vezes, um tempo mais longo de silêncio, outras vezes menos intermitente. E o pastor começa a ficar deveras assustado. Testou outros lugares mas, na verdade, só ali se dava a ocorrência. Mais do que intrigado começou a ficar com medo. Há falta de uma explicação natural só podia ser coisa do diabo ou de almas que por não terem lugar no outro mundo vadiam perdidas na procura sabe-se lá de quê. E o rapaz, fazendo, repetidamente, o sinal da cruz, recolhe o gado e assarapantado mete-se a caminho da Tapada dos Picotes onde o pai decruava, rego para cá rego para lá, a terra com a pachorrenta junta de vacas. O pai que ouvira os chocalhos e campainhas estranhou que o Manel viesse com o gado para ali. Assim que o enxergou à parede do caminho, perguntou num misto de indignação e espanto:

- Atão, ó Manel?! C’andas tu a fazer cugado práqui?!

O rapaz bem se queria explicar mas não havia meio de as palavras saírem. E abria boca gesticulava mas nenhum som saía. E o pai começava a ficar preocupado que o filho tivesse perdido de vez a fala que já lhe haviam soado casos assim. Mas às tantas lá conseguiu tartamudear:

 - Ó pai, andam lá coisas debaixo da terra, uns barulhos esquisitos. Calam-se um bocadito e depois voltam … calam-se e depois voltam. Eu p’ra lá no volto cugado. E, dito isto, soltam-se as lágrimas em corrente contínua.

O pai até lhe daria duas lambadas não fosse o caso de bem ver que o caso era sério… ou que fosse um caso de bruxedo ou que o rapaz tivesse endoidado. Preferiu aliviar a situação e desviar a conversa.

- Vai ali p’rá tapada de cima que sempre lá comem umas cuanhas.

E o pai agarrado à rabiça do arado, rego para cá rego para lá, ia matutando e não conseguia apaziguar o espírito.

A caminho de casa e a cogitar sobre o assunto. Cada vez que o filho dizia: “Ó pai …“, este cortava-lhe, de imediato, a palavra:

- Caluda, hein!

E  em tom de secreta intimação: - Nem uma palavra! Ouviste? Nem uma palavra a ninguém. Nem à mãe! A ninguém, raio!

- Mas, ó pai, eu p’rá Casa dos Moiros (assim se chama o sítio, no vou mais cugado! E desata em choradeira pegada.

- Ó alma de cevada! Cala-te senão ainda te coço a bertoleja!

O choro e a caminhada libertaram-no da comoção e atreveu-se a dizer:

- Ó pai, se calhar são os moiros que andam lá debaixo da terra.

E iria contar a história, pela enésima vez, de uma moira que vivia no castelo se não fosse a voz do pai adverti-lo que sobre o assunto nem mais uma palavra.

Á ceia, a mãe sentiu que alguma coisa se passava. Comido o caldo quase em silêncio, o rapaz:

- Deite-me a sua bênção, pai! deite-me a sua bênção, mãe!

E e é quase certo que foi sonhar com os tesoiros que os moiros enterraram no castelo.

O pai volta para um lado, volta para o outro quase não pregou olho e assim que pela fresta da telha de vidro vislumbrou o amanhecer, moveu-se com jeito e sem ruído para fora da cama. Enfiadas as calças mais as botas e uma camisa, antes que na aldeia alguém se levantasse, pega numa sachola e sai passo estugado a caminho da Casa dos Moiros decidido a enfrentar o mistério.

Chegado ao sítio que o filho lhe indicara, no silêncio dos campos, poisou o ouvido sobre a terra e … lá estava o rugido!

- Ena cum catano! Cum mil raios!

Mas, ao contrário do rapaz que ficou transido de medo, nele cresceu a força toda e com a sachola que levava:

- Ah, cum raios que vos parta a todos! E ao dizê-lo, espetava com fúria a sachola no solo … uma, duas... e à sétima sacholada um jorro de água salta-lhe à cara.

Foi um banho de água fria que aplacou a ira e desmoronou o mistério e o misto de esperança e medo do pai em vir ali dar luta a um verdadeiro titã. Olhou em volta. Ninguém. Apressou-se a sair dali, deu uma volta maior e foi até aos Vales para entrar na povoação por um caminho que nada tivesse a ver com as Casas dos Moiros.

Ao fundo da Praça viu o Armando Duro, presidente da junta. Como quem não quer a coisa lá foi ouvindo as ordens ao Lavajo e ao Zé Forneiro : que seguissem os canos da água até à nascente; que os haviam de encontrar rotos nalgum sítio; que era preciso concertá-los; que o povo não podia estar sem água. E depois para os poucos que ali estavam feitos basbaques a dar fé do que se passava praguejou contra o cargo que exercia e que só lhe dava trabalhos, contra os canos que eram uma porcaria que volta e meia estavam a rebentar. Para piorar o humor teve de mandar calar a garotada que atentava a Maria Cuca (Ó Maria, já te vou roubar o sabonete!) que ao não encontrar água mandou duas carvalhadas das grossas.

 À noite era assunto na taberna, na ida ao chafariz e ao terço, dentro e fora de portas sobre quem seria o malandro com tamanha malvadez para, assim, cortar a água ao povo. E também sobre os castigos que um alma do diabo assim devia levar.

Júlio Marques

 

 

publicado por julmar às 16:49
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

Portugal de Ontem

publicado por julmar às 12:38
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 5 de Outubro de 2009

A graça que não tem

 

Diz uma quadra antiga:

                                      Ó Vilar Maior,ó Vila

                                       Duas coisas te dão graça

                                       É o relógio na torre.

                                       E o Pelourunhona praça

A requalificação que se pretendia do Largo do Pelourinho deixa (deixou) muito a desejar. Quanto aos projectores que o haveriam de iluminar ficámos pelos buracos de instalação dos mesmos; quanto ao jardim o que pensei tratar-se de uma rede provisória para o proteger nos primeiros tempos, parece tornar-se definitiva (Ainda se fosse uma vedação em condições).

E se a parte pública assim é, quanto ao envolvimento dos particulares está à vista. Claro que não é falta de dinheiro, é mesmo falta elementar de gosto. E o gosto não se arranja do pé para a mão.

publicado por julmar às 09:23
link | comentar | ver comentários (13) | favorito

Há 47 anos

 

Dia 5 de Outubro de 1962, estes dois conterrâneos, saíam de Vilar Maior a caminho de França. Aqui vão desfiando memórias da viagem a salto: do vinho mosto que beberam antes de partir, dos dias que partilharam em pocilgas de porcos disputando as maçarocas de milho com eles, dos três dias que passaram numa pensão em Salamanca a jogar cartas, de águas tépidas e putrefactas que beberam pelo caminho, das dificuldades em passar os Pirinéus, do abandono em Champigny e da aparição do ti Chico Henriques que foi como uma benção dos céus. Doze diasdemorou a viagem.

Velhos, rijos e fortes continuam a fazer vindimas e a beber mosto ... e uma mini para comemorar os 47 anos da partida.

 

publicado por julmar às 09:05
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 2 de Outubro de 2009

Coisas (casas) que melhoram

publicado por julmar às 18:11
link | comentar | ver comentários (3) | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Feliz Páscoa - Mandar rez...

. Igreja da Senhora do Cast...

. Gente da minha terra

. Manto Branco

. Projeto "Tornar Vilar Mai...

. Quando a festa virou trag...

. A Vila e suas gentes

. Requiescat in pace, Elvir...

. Requiescat in pace, Maria...

. Tornar a Vila numa aldeia...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds