Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009

INSTANTE

A cena é muda e breve:
Num lameiro,
Um cordeiro
A pastar ao de leve;

Embevecida,
A mãe ovelha deixa de remoer;
E a vida
Pára também, a ver.

                             Miguel Torga

publicado por julmar às 22:26
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 17 de Dezembro de 2009

CHOVE . É DIA DE NATAL

Chove. É dia de Natal.

Chove. É dia de Natal.
Lá para o Norte é melhor:
Há a neve que faz mal,
E o frio que ainda é pior.

E toda a gente é contente
Porque é dia de o ficar.
Chove no Natal presente.
Antes isso que nevar.

Pois apesar de ser esse
O Natal da convenção,
Quando o corpo me arrefece
Tenho o frio e Natal não.

Deixo sentir a quem a quadra
E o Natal a quem o fez,
Pois se escrevo ainda outra quadra
Fico gelado dos pés.

Fernando Pessoa

publicado por julmar às 21:52
link | comentar | favorito
Terça-feira, 15 de Dezembro de 2009

Instantes

Que sentimentos lhe desperta esta paisagem?

 

Em tons de poesia

Outono.
Do cimo do Arco eu vejo portas e janelas;
Lanço um olhar sobre a velha Praça e fico absorto; Em espiral sobem mil folhas amarelas,
Rolam, caem e o que vejo?
viuvez, velhice e desconforto.

E pousada no fio de telefone vejo uma andorinha, Que vergada ao peso dos anos não consegue encetar nona caminhada,
Não obedece à voz da mãe natureza, fica sozinha;
E quando um vento plangente sopra de mansinho,
cantando a morte anuncida,
Tomba inerte no chão desamparada .
Ribacôa

publicado por julmar às 18:14
link | comentar | ver comentários (14) | favorito
Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2009

Foto antiga

(Gentilmente cedida por Helena Palos)

O local é facilmente identificável. Alguns são repetentes de outras fotos; será uma fotografia da década dos finais de 30; que motivo os terá reunido?

As crianças, gente que ainda andará por cá, me encantam.

publicado por julmar às 23:29
link | comentar | ver comentários (9) | favorito
Terça-feira, 8 de Dezembro de 2009

Que bela taça!

(Foto gentilmente cedida por Helena Palos)

A fotografia tem mais de 25 anos. Durante muitos anos esteve abandonado no sítio onde a vemos. Sorte mesmo, nenhum brutamontes se ter lembrado de a destruir. Constitui, sem dúvida alguma, a peça artística mais importante de Vilar Maior.

Claro que as rosas contidas só realçam a sua beleza.

publicado por julmar às 21:59
link | comentar | ver comentários (19) | favorito
Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009

A vinha e o vinho

A vinha constituía, depois da cultura do centeio, a maior das extensões cultivadas. E antes do surto emigratório de 60 as vinhas com as muitas voltas que a terra levava eram todas feitas à enxada dos muitos jornaleiros que com isso ganhavam a vida. O pão e o vinho. Um dia inteiro para ganhar vinte escudos, para os mais novos, o equivalente a dez cêntimos. Depois com a falta de mão de obra, procede-se a um arranque parcial: valada sim, valada não para que as vacas pudessem lavrar as vinhas e posteriormente os tractores. Depois de 1986, a CEE deu subsídios ao arranque da vinha e uma após outra foram quase todas. E a paisagem do estio, retiradas as enormes manchass de verde, ficou árida.

Quem sabe se um dia, não voltaremos ao verde da parreira, com um vinho  de qualidade que sabemos estas terras podem dar?

publicado por julmar às 23:06
link | comentar | ver comentários (6) | favorito
Domingo, 6 de Dezembro de 2009

Criação de uma Sociedade de Desenvolvimento

Eu não me conformo com a situação de desertificação do interior do país, nomeadamente a que atinge a nossa vila. O mundo muda e, como se vê pela crise que atravessamos, por vezes, de maneira imprevista. Não sabemos se daqui a uns anos estas aldeias que hoje fenecem não rejuvenescerão. O mundo muda. Hoje, felizmente, é possível em Vilar Maior aceder a toda a informação a que se pode aceder em Lisboa, em Paris ou em Singapura. Hoje é possível muito do trabalho que há a fazer nos nossos empregos fazê-lo em Vilar Maior. o tenho feito algumas vezes. Estou, naturalmente, a falar da Internet.

Porém aquilo que eu queria propor hoje é um sonho. Um sonho que não é uma ilusão. Um sonho que pode realizar-se: Tornar Vilar Maior uma comunidade próspera economicamente, um local onde as pessoas ganham dinheiro e onde têm qualidade de vida, um local procurado por gente jovem que aí quer trabalhar, constituir família … viver e viver bem. Vilar Maior tem terra, tem água, tem sol…tudo o que homem precisou para viver lá desde tempos imemoriais. Porque razão hoje que a vida está mais facilitada pela ciência e pela técnica não há-de poder lá viver? Porque é que a gente qualificada – médicos, veterinários, professores, advogados, engenheiros, informáticos, profissionais da construção civil e de todos os sectores – espalhada pelo país e pelo mundo além, não há-de ser capaz de participar na realização deste sonho? É tempo de passar das lamentações à acção; é tempo de deixar de pensar pequenino e pensar em grande; é tempo de passar de pedir para isto e para aquilo; é tempo de deixar de pensar que são os outros que têm de resolver os nossos problemas; é tempo de pensar o desenvolvimento como um todo integrado e não como partes; é tempo de pensar em ganhar dinheiro em Vilar Maior. Ninguém tem que dar nada. Nunca uma sociedade se desenvolveu na base das esmolas ou na base do puro altruísmo. Por isso, cada um que queira participar, fá-lo para ganhar dinheiro que é com ele que a economia se desenvolve. Imagine só que desde que começou a emigração por volta dos anos 60, 25% das remessas dos emigrantes tinham sido aplicadas em Vilar Maior. Imagine que tinham sido aplicadas (não para comprar terras e deixá-las abandonadas) para serem rentabilizadas. Como acha que seria hoje Vilar Maior? Já pensou? Dá para imaginar? Dirá, pois mas isso era se tivesse sido porque agora já é tarde.

Tarde porquê, tarde para quê?

Hoje é o dia de começar. Todos podem participar. Quantos mais participarem melhor. Ninguém sem convicção de que pode ganhar dinheiro deve participar. O voluntariado pode surgir mas só depois de as pessoas ganharem dinheiro.

Lembrem-se: Existe sol, existe terra, existe água; existem pessoas qualificadas; existe um património histórico. E também existe dinheiro … se não for noutro sítio nos bancos.

E acima de tudo há dois verbos: Crer e querer. Acreditar no sonho e querer realizá-lo. Trata-se de um sonho grande. É preciso traçar-lhe os contornos.

Um dos problemas da agricultura tradicional era a excessiva divisão da propriedade – algumas eram tão estreitas que uma vaca atravessada faria as necessidades na propriedade do vizinho; outro problema era a falta de mecanização; e outro as dificuldades de comercialização.

Uma vez que se deseja que participe o maior nº de pessoas nesta sociedade uma das formas de fazer essa participação é através da cedência das terras (apenas do usufruto) em troca de acções segundo fórmulas e cálculos a estudar. Desta forma, se evitará o abandono das terras e a degradação dos solos, se criarão postos de trabalho e uma fonte de rendimento para os que não podem tratar das terras. As terras serão usadas com três fins principais que se complementam: Agricultura, Pastorícia e Florestação. A caça, a pesca, a apicultura serão, entre outras, actividades complementares. Progressivamente poderão ser criadas pequenas indústrias e artesanato que valorizem os produtos – por exemplo uma queijaria.

Dada a incapacidade existente, até ao momento, de rentabilizar o património histórico-cultural a Sociedade de Desenvolvimento fará os protocolos necessários para o efeito e será seu objectivo não apenas preservá-lo mas promovê-lo constituindo uma dimensão fortemente dinamizadora da economia local.

A restauração terá um lugar de destaque e há-de salientar-se pela sua qualidade (à base dos produtos locais – os queijos, os enchidos, as compotas, as carnes, a batata, o pão, as frutas …) que será um forte motivo de atracção do turismo. Há dias um comentador apontou o aproveitamento das antigas escolas como edifício para o restaurante.

Não há economia sem dinheiro. Porém, a Sociedade de Desenvolvimento visa uma economia social em que o importante é as pessoas, cuidando de todas, e de modo especial das crianças, dos velhos ou pessoas que sofram de qualquer fragilidade.

A Sociedade de Desenvolvimento não substitui ninguém, não entra em competição com ninguém e estabelecerá com todos os grupos com todas as entidades, com todos os produtores privados relações de cooperação e ajuda.

Para já pede-se a todos os colaboradores ideias que esta é a fase das ideias e de ouvir todos. Depois passar-se á aos projectos à constituição jurídica, à definição dos seus corpos e lideranças, à assumpção dos compromissos e … finalmente à acção no terreno.

publicado por julmar às 22:38
link | comentar | ver comentários (16) | favorito

Juventude de outros tempos

Juventude feminina da Vila no casamento da Filomena e do José Pinto. Vá lá façam a lista direita de todas as presentes. E já agora em que ano foi?

E dedicada aos noivos a clássica composição de António Prieto

http://www.youtube.com/watch?v=NQKpNMjfYbI

publicado por julmar às 17:57
link | comentar | ver comentários (8) | favorito
Sábado, 5 de Dezembro de 2009

O tempo das pândegas

(Foto gentilmente cedida por Helena Palos)

Quem são? Quando? O que fazem?

Não sei o que tenha a ver mas a música que associei à cena foi a canção mexicana «la cucarracha. É divertida, ora oiça:

http://www.youtube.com/watch?v=KiOyvNsDtBo

 

publicado por julmar às 11:17
link | comentar | ver comentários (12) | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Feliz Páscoa - Mandar rez...

. Igreja da Senhora do Cast...

. Gente da minha terra

. Manto Branco

. Projeto "Tornar Vilar Mai...

. Quando a festa virou trag...

. A Vila e suas gentes

. Requiescat in pace, Elvir...

. Requiescat in pace, Maria...

. Tornar a Vila numa aldeia...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds