Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2012

O mangual - uma evocação etnográfica - Dr Leal Freire

O mangual é um aparelho de debulha de cereal, mormente de centeio, composto de dois paus - o CABO e o PIRTIGO, ligados e articulados numa das extremidades por tiras de couro ou cordas amarradas de formas várias - a MEÃ,
O malhador empunha o cabo com uma das mãos e bate com o pirtigo o cereal espalhado na eira.
O mangual parece ter surgido na Europa entre os seculos III E V da nossa era, numa região do mundo germânico, compreendida entre os rios Reno e Mosela.
Difundido seguidamente por todo o Continente, é natural que tenha sido trazido pelos invasores godos para a Península Ibérica e encontra densidade maior na area do centeio, ou seja na Galiza e metade norte de Portugal.
Daí, certamente, acompanhando a Reconquista, irradiou para o Sul, onde, porém, nunca teve a mesma importância, porque nessa área, onde predomina o trigo, foi vencido na função de debulhador, pelo trilho.
Entre nós, o mangual veio substituir os primitivos processos de debulha—a percussão directa do cereal que se bate aos molhos contra qualquer prancha, a debulha com uma vara, com que é batido o cereal—o que terá estado na origem do mangual—e a debulha ao pé do gado—esta a origem do trilho...
Regista-se a existência de vários tipos de manguais, consoante o processo de ligação do pirtigo ao cabo.
publicado por julmar às 17:44
link | comentar | favorito
Sábado, 8 de Dezembro de 2012

Ainda o Vinho - Dr Leal Freire

Na nossa vizinha Espanha, o quarto país na produção mundial do vinho, a cultura da vide era já abundante no tempo dos Plinios, o Velho,o Moço e o Medio.
Tradicional, manteve-se sempre a grande nível, sendo variadíssimos os seus vinhos desde os mais finos aos correntes
Exemplifiquemos com o CARTA BLANCA, com farta percentagem de alcool.
Com o MONTERREY, branco e seco, caracteristico da Galiza, como o RIBEIROS e o ALVARIÑO
Com o gostoso VALDEPEÑAS
Com toda uma gama de RIOJAS
Com o XEREZ e os MALAGAS, secos e adocicados
E hoje com os VEGAS CECILIAS, das encostas de Valhadolid
E que dizer, perguntam os especialistas, da generosa MANZANILLA, de Sao Lucar de Barrameda e dos CONHAQUES IMPERIAIS
Qual o português, pergunta o tratadista EURICO GAMA, cuja lição IN VINO VERITAS estamos seguindo de perto, que não faz o seu contrabandozinho de um CARLOS I, se é homem de posses, de um FUNDADOR ou OSBORNE, se é pessoa de mais minguados recursos...
Depois, continua aquele autor, o vinho em Espanha é castiço como o flamengo e irrequieto como as salerosas castañuelas.
As características BOTAS, inchadas pela fresca MANZANILLA correm de boca em boca a dessedentar gargantas nas praças de touros e nas alegres e coloridas romarias,
O vinho bebe-se no intervalo das impressionantes procissões, enquanto a amargurada verónica enxuga o rosto.
publicado por julmar às 21:31
link | comentar | favorito
Domingo, 2 de Dezembro de 2012

Chegou o Correio

Em memória de Joaquina Santa, primeira distribuidora do correio na Vila
«Chegou enfim o homem das cartas, e a custo conseguiu romper até ao mostrador, onde pousou a maia. O «director», depois de tossir, de assoar-se, de suspirar e de limpar os óculos com umas delongas, que formavam com a ansiedade do povo um contraste desesperador, abriu neumáticamente o saco, extraiu um não muito volumoso maço de cartas, que despejou num cesto de vime, e tomou apontamentos.

Era digno do pincel de um artista aquele grupo de fisionomias, que seguiam ávidas todos os movimentos de mestre Bento. Olhos e bocas abertas, mãos juntas, pescoços estendidos, a cabeça inclinada para receber o menor som, tudo caracterizava profundamente a ansiedade que lhes dominava os ânimos.

Mestre Bento Pertunhas achou a ocasião apropriada para dizer a Henrique : — Pois, senhor, eu nasci para artista, quase sem mestre aprendi a tocar trompa e, não é por me gabar, mas prezo-me de tocar com certo mimo e expressão.

Henrique volveu o olhar para o auditório ; apiedou-o a consternação daquelas fisionomias. Resolveu valer-lhe.

— Tem a bondade de ver se há alguma carta para mim ? — Ah ! pois já as espera hoje ? — Não é provável; porém...

Mestre Bento Pertunhas, em vista disto, começou em voz lenta e fanhosa a leitura dos sobrescritos.

Seguiu-se novo e não menos interessante espectáculo.

A cada nome proferido, erguia-se quase sempre uma voz, às vezes um grito ; estendia-se por cima das cabeças um braço, e, podemos acrescentar, ainda que se não visse, alvorotava-se um coração.

Outros, os não nomeados ainda, olhavam com ansiedade para o maço. que diminuía, e cada vêz mais se lhes assombrava o semblante.

— Luisa Escolástica, do lugar dos Cojos — lia o mestre Pertunhas.

— Sou eu, senhor, sou eu; ai, o meu rico homem! — exclamou uma mulher jovem, apoderando-se avidamente da carta.

— Joana Pedrosa, de Serzedo — continuava — Aqui estou ; será do meu Antônio, senhor ? — disse uma velha, pobremente vestida.

— Será do seu Antônio, será — respondeu o insensível funcionário ; — o que lhe posso dizer é que traz obreia preta.

A mulher, que já tremia ao receber a carta, deixou-a cair, ouvindo aquelas sinistras palavras. Apanharam-lha; e ela, tomando-a, saiu da loja, a chorar lastimosamente.

— Se foi o filho que lhe morreu, não sei o que há-de ser dela — dis;e um dos circunstantes.

— Coisas do mundo ! — respondeu outro.

Estes comentários foram interrompidos pela continuação da leitura.

— João Carrasqueiro.

— Pronto, senhor — bradou um velho.

— A mesada, hem ? — disse Bento Pertunhas, fitando-o por cima dos óculos. — O rapaz não se esquece.

— Deus Nosso Senhor o ajude, que bem bom filho tem saído.

— D. Madalena Adelaide de...

— É a morgadinha, é a morgadinha — disseram a um tempo muitas vozes.

— Agradecido pela novidade ; era cá muito precisa a explicação — disse o Pertunhas : e passando a carta para uma mulher, que era a encarregada de fazer a distribuição a quem a podia gratificar, acrescentou : — Leve-lha a casa.

E prosseguiu: — Augusto Gabriel...

— É o mestre-escola...

— Ora fazem o favor de estar calados ! Esta .. como ele vem por aqui... pode ficar... ainda que... será melhor levar-lha a casa, leve, leve também...

— João Cancela.

— É o João Herodes.

— Esse foi a Lisboa.

— Então, quando vier, que apareça.

— O tio Zé-Pereira ficou de receber as cartas. É compadre dele.

Eu não quero saber de compadrices. O tio Zé-Pereira que se ocupe com o seu zabumba e deixe lá os outros.

A leitura mais ou menos acompanhada destes diálogos prosseguiu, redobrando de momento para momento a ansiedade dos que iam ficando.

Um fundo suspiro, uníssono, melancólico, expressivo de desalento, seguiu-se à leitura do último nome e às poucas palavras, com que o funcionário fechou a tarefa.

— E acabou-se.

Os que ainda estavam na loja saíram cabisbaixos, morosos e com tão má vontade, como se ainda tivessem esperança de comover a inexorável sorte.»

In, A Morgadinha dos Canaviais, Júlio Dinis
publicado por julmar às 19:21
link | comentar | favorito

Requiescat in pace, Joaquina Santa

Faleceu no hospital da Guarda, tendo-se realizado o funeral hoje em Vilar Maior, a nossa conterrânea Joaquina Fernandes, filha de Domingos Fernandes e Maria dos Santos. Segundo os meus registos a Joaquina Santa (Joaquina Santa) filha da ti Santa como era conhecida entre nós, terá nascido em 1922. Guardo memória do ti Domingos, guardador de cabras e da ti Santa, vizinhos no trato de terras no caminho do Porto Sabugal.
Da Joaquina fica a memória de uma mulher religiosa e de uma mulher de bem, convivendo os longos anos de sua vida com uma doença respiratória que lhe dava um ar de permanente cansaço. Depois que o correio deixou de ser levantado no comércio do senhor Aníbal Gata (lembram-se da cena do Bento Pertunhas, em A Morgadinha dos Canaviais?), foi aprimeira distribuidora do correio ao domicílio, por iniciativa do padre Francisco Vaz.
E assim ficamos menos. Paz à sua alma.
publicado por julmar às 19:15
link | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sábado, 1 de Dezembro de 2012

Santa Bebiana - Dr Leal Freire

Padroeira das mulheres amantes da boa pinga
Julgamos que se trata duma invenção de folcloristas, pois não encontramos a celícola referenciada na lista da flos sanctorum.
Aliás, o nome Bebiana, parece corresponder a uma ordem bebe-lhe Ana
Haverá, assim, uma corruptela, como em certas ordens batismais.
Na cerimónia lustral perguntava o celebrante
Que nome daremos á menina
Respondia a velha avó …bote.lhe Ana ...prante-lhe Ana
O escrivão registava Prantelhana ou Botelana e assim nasciam duas onomásticas....
O mesmo terá sucedido com as comadres da confraria bebe Ana, dando por crase a nova patrona - Bebeana ou Bebiana que, alcandorada a orago tinha de ser santa.
De resto, o nome de Ana, por ser o da avó do menino Jesus vale como símbolo
Para o bem e para o mal, se é que pode falar-se do mal, falando do vinho.
E o vinho é coisa santa
Que nasce da cepa torta
Embora
A uns faça perder o tino
E a outros errar a porta
Mas o vinho alegra
In vino,veritas, loetitia et loquacitas
E faz esquecer as mágoas
In taverna quando sumus non scimus quid sumus
E
Bonum vinum loetificat cor hominum mulierunque
Segundo o latino adágio, da generosidade tonificante do vinho beneficia todo o casal e para não ficar atrás, a mulher na ocasião bebe pelo garrafão.
Gil Vicente deixou-nos antever o que é a sede das mulheres no pranto da Maria Parda a lamentar as tavernas secas.
Rua de cata que farás
Que farei e que farás
Quando vos vi sem vinho
E tornei-me para trás…
Que foi do vosso bom vinho
E tanto ramo de pinho
Onde bebemos Joana
E eu cento e um cinquinhos
Quero-me ir ás taverneiras
Taverneiros, medideiras,
Que me deem uma canada
Sobre o meu rosto fiada
A pagar lá pelas eiras...
publicado por julmar às 19:39
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Feliz Páscoa - Mandar rez...

. Igreja da Senhora do Cast...

. Gente da minha terra

. Manto Branco

. Projeto "Tornar Vilar Mai...

. Quando a festa virou trag...

. A Vila e suas gentes

. Requiescat in pace, Elvir...

. Requiescat in pace, Maria...

. Tornar a Vila numa aldeia...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds