Segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

A Banda de Loriga

 Banda de Loriga,que foi a Vilar Maior pela 1ª vez no ano de 1954 - 60 anos.Desta foto são vivos apenas.

De vez em quando, retiro do facebook algumas preciosidades, contando com o benevolente assentimento dos autores. Neste caso, é uma fotografia publicada pelo António Luís de Brito, um amigo de Vilar Maior que vai alimentando os laços que perduram há tantos anos. 

Sem pretensões, este blog contém um património que há-de constitur proveitosa memória futura, feita quase dia-à-dia de pequenas coisas.

publicado por julmar às 17:53
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 12 de Setembro de 2014

Mordomos velhos, mordomos novos

Assim se faz a festa com parabéns aos que terminam e votos de sucesso aos que começam

A equipa que termina
A equipa que começa
(Fotos retiradas da pag, Facebook de Vilar Maior)
publicado por julmar às 10:34
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 10 de Setembro de 2014

Festa do Divino Senhor dos Aflitos - "Ele está no meio de nós"

foto de Fátima Vaz Valente

São dias muito especiais os dias da Festa. É especial a Procissão de Velas no sábado, qual dança religiosa no andar cadenciado ao som da marcha da banda, iluminado pela luz mortiça das velas e pelo estrelejar dos foguetes de luzes; é a reza do terço com explicação dos mistérios (se é que os mistérios têm explicação); teria sido a missa campal, como se isto de ser campal acrescentasse uma dimensão cósmica de abertura ao transcendente, uma igreja que tem como limite o horizonte celeste; quis Deus que este ano assim não fosse obrigando a abrigar o cerimonial na Igreja da Misericórdia por mor da chuva caída durante a noite; é a procissão onde se cumprem promessas, feitas em horas de aflição, carregando um peso que é mais do que físico e serve de consolo espiritual e que Deus, os seus desígnios são insondáveis, quis atrapalhar com chuva torrencial. 

É um tempo sagrado, num espaço sagrado que corta o tempo profano. Penso que os vilarmaiorenses e os peregrinos que acorrem à festa do Sr dos Aflitos mais do que em qualquer outro espaço e tempo experienciam nesta festa a manifestação do sagrado. Mesmo os corações mais empedernidos dificilmente resistem à comoção no momento do Adeus. 
A festa religiosa é para os vilarmaiorenses uma autêntica epifânia e toda a liturgia religiosa envolvida em música e cânticos, em ornamentações florais, em promessas cumpridas, no som dos foguetes, no repicar dos sinos e com o coroar da entoação do Hino do Senhor dos Aflitos, dá verdade à afirmação:
"Ele está no meio de nós"!
  HINO DO SENHOR DOS AFLITOS

I

Nosso Senhor dos Aflitos

De dois anjos ladeado

Atendei corações contritos

Defendei-nos do pecado.

CORO

Ao deixar-te, ó meu Jesus

Ouvi hoje rogos meus

Derramai as vossas bênçãos

Aceitai o meu adeus

II

Nas desditas desta vida

E nas horas de aflição

Teu coração por nós palpita

Sede nossa consolação

III

Rei de Amor, Rei de Beleza

Sois o Deus, sois o Senhor

Canta a Terra Portuguesa

Canta o povo de Vilar Maio

publicado por julmar às 09:50
link | comentar | favorito
Terça-feira, 9 de Setembro de 2014

IV Encontro da Família Silva Leonardo

Foto do grupo à saída do restaurante O Pelicano
Pelo quarto ano consecutivo, reuniu-se a família Silva Leonardo, evento que tem sempre lugar no sábado da Festa do Senhor dos Aflitos. A maior parte desta que será porventura uma das maiores famílias da Vila não pôde estar presente, sobretudo os mais novos por razões de trabalho. Mas estiveram todos presentes nos nossos corações, também aqueles que já partiram.
Uma palavra de agradecimento à Susana que, ano após ano, organiza e promove o encontro.
publicado por julmar às 12:05
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 4 de Setembro de 2014

III Feira de Talentos - Recrearte

Ainda mais criativa e variedade de artigos que nos anos anteriores.
Obrigado à equipa do Recrearte
publicado por julmar às 12:17
link | comentar | favorito

Acabaram as vacanças

Meu querido mês de Agosto

Por ti levo o ano inteiro a sonhar

Trago sorrisos no rosto

Meu querido mês de Agosto

Por que sei que vou voltar

         (Dino Meira)

Já lá vão masi de 50 anos que se iniciou a diáspora dos vilarmaiorenses para a França. Essa primeira onda migratória levou quase só homens dos 15 aos 50 e tal anos. Quase todos. Depois foram as mulheres. Os mais velhos regressaram 10, 15, 20 anos depois. Pensou-se que seria um fenómeno passageiro e há que poupar dinheiro mandá-lo para  Portugal e comprar umas territas - hortas, veigas, lameiros, vinhas... quase sempre por preços exorbitantes. «Quando a França acabar» era uma expressão que às vezes soava da boca dos que, sem mão de obra, viam as terras por tratar e as iam vendendo.

Mas a França não acabou, vinham os mais velhos ficavam os mais novos que casavam e tinham filhos que continuavam por lá. Que continuam por lá já mais franceses, (ou apenas franceses) que portugueses. 

Os primeiros emigrantes pela primeira vez na vida têm vacanças. Vacanças e dinheiro, muito dinheiro em francos velhos contados aos milhões. E começam a usar coisas e palavras que nunca haviam usado: Ele é o Comment ça va?, o Comme ci comme ça, o rapicé, os Batiments, as usinas, a pá e a pioche, o sen ferrien, o vasY e o allez, a voiture com a boite das vitesses e as bougias, o fogo rouge,a marche arriére, a viande, e claro as biéres. E a pouvela por que com o novo estilo de vida começou a haver lixo. E aquilo que os portugueses fazem melhor do que ninguém - desenrascar - passou a ser désenmerder.

Esta era a primeira geração que pouco letrada se desenrascou na aprendizagem de novos ofícios e da nova língua. 

Os netos e bisnetos dessa primeira geração, sobretudo os bisnetos que animam a vila neste mês de Agosto falam francês como os franceses e quem não souber francês chega-se a sentir estrangeiro na sua própria terra. 

E pronto a vila regressou ao silêncio cortado pelo ladrar dos cães, pelo chilrear dos pássaros, pelo padeiro que vem vender o pão. Lá mais para diante virá o murmúrio das águas da ribeira, há-de cantar a pôpa e o cuco, Agosto chegará e com ele os franceses. A França não acabará ... e a vila também não!

 

publicado por julmar às 11:14
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 3 de Setembro de 2014

III Feira de Talentos - Casa Vilar Mayor

Banca da Casa Villar Mayor
Na banca da Casa Villar Mayor destacava-se o bom gosto na apresentação dos produtos, nomeadamente, os já tradicionais licores. Aos que, de perto ou de longe nos quiserem visitar, encontrarão na Casa Villar Mayor - http://www.turispedros.pt/ - excelentes condições de alojamento.
Obrigado pela participação.

 

publicado por julmar às 10:05
link | comentar | favorito

Despedida do Padre Hélder Lopes - António Cunha

Reverendo Pároco Helder Lopes

Hoje, 31 de Agosto de 2014, com esta despedida ao Pe. Helder comemora-se o fim do 1º. Ciclo, na Unidade Pastoral do Planalto do Côa que agrega as paróquias; da Rapoula do Côa, Vale das Éguas, Ruvina, Ruivós, Bismula, Badamalos e Vilar Maior onde estão ainda incluídas as localidades do Carvalhal e Arrifana do Côa às quais o Pe. Helder também se deslocava, com alguma frequência. Em Setembro de 2008, quando o Pe. Helder foi nomeado para Paroquiar esta vasta área geográfica (com mais de 85 Quilómetros quadrados e com menos de 800 paroquianos) neste fim do mundo, onde falham, com tanta frequência as novas tecnologias, certamente que ficou apreensivo. Também alguns de nós ficamos apreensivos. Mas esta nossa apreensão rapidamente se desvaneceu, e tudo, graças ao seu enorme talento e dinamismo. Passado este tempo podemos afirmar que o Pe. Helder marcou cada um de nós, pelo exemplo, pela proximidade e sobretudo pela humildade para enfrentar a missão a que estava designado . . Ensinou-nos, que é possível criar dinamismo se tivermos boa vontade e alegria de viver em comunidade, e isso foi bem presente nos eventos que desenvolveu, e que envolvia todas as faixas etárias onde não existiam ricos nem pobres. Motivou a comunidade, jovens e menos jovens, á participação e á partilha. Durante cerca de seis anos tivemos a presença da sua graça no nosso caminho e somos profundamente agradecidos por isso. O senhor liderou-nos e participou connosco em varias realizações das nossas paróquias, que foram grandes conquistas e motivo de alegria e de júbilo para todos nós e que ficarão para sempre registados na nossa memória. Não só pela obra física, que são exemplo a recuperação da Igreja de Badamalos e o restauro dos frescos da capela de São Marcos no Carvalhal, mas também, pela obra espiritual através das atividades inter-Paroquiais junto destas comunidades cristãs, das quais destaco apenas algumas: Festa das comunidades, Santa Unção comunitária, Cantos Quaresmais, Celebração da Paixão de Cristo, Passeios Culturais dia da juventude e peregrinações a Israel, Turquia, Polónia e Croácia. Devemos realçar ainda, e também, os seus dotes de professor nas atividades que semana a semana desenvolveu no Centro de Espiritualidade de Cristo Rei na Ruvina. Curso de Teologia, Escola da Fé, Retiros e as palestras que nos proporcionava através de ilustres convidados desde Feitor Pinto, Áurea Miguel e tantos outros. Motivou a comunidade a dedicar um pouco do seu tempo a favor das atividades das sete Paróquias do Planalto do Côa que como já foi dito agrega as paróquias; da Rapoula do Côa, Vale das Éguas, Ruvina, Ruivós, Bismula, Badamalos e Vilar Maior, incluindo Arrifana e Carvalhal. Incentivou-nos ao convívio e à partilha em comunidade . . Por estas, e por tantas outras razões deixa saudades e sementes que perdurarão no tempo. A despedida hoje é emocionante. Este é um momento especial! É hora de olhar para trás e ver tudo o que passamos. É hora de valorizar a amizade e os laços de afetividade que foram criados. E por isso pedimos a Deus que lhe dê muita saúde e que o nosso testemunho possa ser o conforto e incentivo para continuar o seu percurso. Já está chegando a hora de ir… Esta frase é bonita para se cantar, mas muito triste para se viver. O Senhor Padre vai e nós ficamos, que bom seria se não houvesse despedida, não houvesse "adeus" e que continuasse como um bom pastor à frente dos destinos desta comunidade cristã. . Seria bem melhor se nas nossas vidas pudéssemos optar e pedir para ficar. Mas não é assim. Não podemos ser egoístas, uma pessoa com as suas qualidades deve ter também a oportunidade de partilhar com outras realidades e outras comunidades e queremos e acreditamos que se vai sentir bem. . Sentiremos a sua falta, mas sabemos que a sua ida é a continuidade da missão que abraçou aquando da sua ordenação. Por isso, temos a certeza que tudo correrá bem, nesse novo caminho, nas novas funções que já amanhã vai iniciar. . Os seus novos colaboradores ou as futuras paróquias podem considerar-se privilegiados por acolher o Sr. Pe. Helder Lopes, pois, o testemunho do seu dinamismo nos movimentos e nas obras já realizadas na Igreja, não será esperado desempenho inferior nas ações futuras. Sr. Pe. Helder!.. Seja sempre essa pessoa amiga e alegre que tem sido. Uma pessoa, que faz um grande trabalho, mas que passa discreto. Por onde andar, lembre-se que deixou aqui pessoas que lhe querem bem e torcem pelo seu sucesso. Distribua a todos esse sorriso constante que sempre alegra o seu rosto de felicidade e que conforta quem o rodeia. Por estas razões e muitas mais é difícil dizer adeus, é triste ver ir embora uma pessoa, por quem temos muita consideração. Amigo fiel não tem preço, e o seu valor é incalculável. Sr. Padre Helder!…, “Quem encontrou um amigo, encontrou um tesouro”. E a nossa comunidade recebeu durante estes 6 anos, um valioso tesouro: o senhor e sua amizade. Podemos afirmar, com toda a certeza, se hoje, formamos uma grande comunidade, é porque tivemos a liderança de um grande pároco. Agora permitam-me que cite Charles Chaplin. Segundo Charles Chaplin, “cada pessoa que passa na nossa vida, passa sozinha. Porque cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra! Cada pessoa que passa na nossa vida passa sozinha, e não nos deixa só porque deixa um pouco de si e leva um pouquinho de nós. Essa é a mais bela responsabilidade da vida e a prova de que as pessoas não se encontram por acaso”. Hoje, é o seu último dia como nosso pároco. Apesar da separação física, estaremos ligados espiritualmente. Porque as pessoas que passam pelas nossas vidas, sempre deixam as suas marcas… Aprendemos muito com o senhor e os seus ensinamentos vão com toda a certeza ajudar-nos na nossa caminhada de hoje em diante. Pedimos desculpas pelas dificuldades que por aqui o tenham entristecido e que não tivéssemos tido a capacidade suficiente para que as ultrapassasse da melhor forma. Que Deus o abençoe na sua nova missão Apenas mais um que nos deixa dirão alguns… Nas coisas pequenas, mais que nas grandes, muitas vezes reconhecemos o valor dos homens. Talvez o Pe. Helder represente apenas mais um que parte. Na partida levará saudades. Também nós ficamos com saudades da sua presença. Senhor Padre! Tenha a certeza que ficará sempre nas nossas mentes, pela grandeza da sua humildade, pelo seu coração, pelos seus gestos e pelos seus ensinamentos. O Conselho Pastoral do Planalto do Côa, em nome de todos os seus paroquianos, querem prestar a V. Ex.ª, um afetuoso agradecimento por termos o privilégio de ter partilhado e usufruído da sua entrega e do seu trabalho a Deus e a estas simples comunidades. Um Bem-Haja ao Senhor Padre Helder Lopes P` O Conselho Pastoral do Planalto do Côa, António Cunha – Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Vilar Maior

publicado por julmar às 09:57
link | comentar | favorito
Terça-feira, 2 de Setembro de 2014

III Feira de Talentos - A arte de fazer bom pão

Carlos Valente
Pão caseiro, bom pão caseiro este obrado pelo Carlos. Tão bom que desapareceu num ápice. Vá lá Carlos para a próxima há que dobrar a parada a ver se chega para mais encomendas.
Obrigado pela participação.

 

publicado por julmar às 17:58
link | comentar | favorito

Despedida do Padre Hélder Lopes

 

Teve lugar no dia 31 de agosto, domingo, pelas 14.30 no salão paroquial de Ruivós a missa, a última como pároco das freguesias que constituem o Planalto do Côa: Bismula, Rapoula do Côa, Vale das Éguas, Ruivós, Ruvina, Badamalos e Carvalhal, Vilar Maior e Arrifana. 

Despedida do padre Helder Resumo da homilia Que me perdoe o padre Heldér o atrevimento de resumir a sua homilia. Exercício difícil de fidelidade ao seu pensar e sentir. «Andei muitos dias a pensar o que vos haveria de dizer nesta ocasião. Tenho o coração transbordante de sentimentos que gostaria ainda de poder partilhar convosco, mas jé é tão pouco o tempo … Se hoje falar muito, tereis de me perdoar …» 1. Diz-nos o Evangelho que ‘Jesus começou a ensinar aos seus discípulos que tinha de ir a Jerusalém e sofrer muito… ‘ e Pedro, acabado de ser nomeado Pedra angular da Igreja, responde-lhe: ‘Deus te livre de tal, Senhor!’ , significando com isso a reação dos que não entendem a paixão e morte de Jesus e, por aí, não entenderem a dor e sofrimento no mundo. Deus não gosta do sofrimento mas Deus tem um plano em que ele se enquadra e Jesus apresenta as condições básicas para quem O deseja seguir: ‘Se alguém quiser seguir-me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me’ ‘Tu me seduziste, Senhor, e eu deixei-me seduzir’ 2. Passaram seis anos. Os balanços estão feitos. Não nos vangloriamos porque sabemos que ‘Vaidade das vaidades tudo é vaidade’. Deus, justo juiz, nos julgará. Um convite a olhar para o trabalho a descobrir novos caminhos para as comunidades cristãs. 1) O trabalho realizado não começou do zero, e deveis continuar o trabalho do ponto em que está. 2) Cada comunidade tem o seu próprio ritmo e dentro dela cada um tem o seu ritmo também. É muito importante que os que estão mais avançados deem as mãos aos que , porventura, tenham ficado mais para trás. 3) Convite a ultrapassar os rótulos colocados em pessoas , à interajuda. 4) Chamada de atenção especial para ajudar: os doentes e idosos- não os deixem sós; as crianças e os jovens – precisam de modelos de virtude e de fé; as famílias mais jovens – a partilha da fé fortalece a união familiar e o aprofundamento da fé dará as razões necessárias para superar dificuldades e dúvidas. 5) Merece realce o trabalho de equipa e a comunhão inter-paroquial que ultrapassa ‘as capelinhas’ para a vivência de igrejas comunhão de igrejas, Igreja comunhão de comunidades. Há mais pequena aragem pode destruir-se o trabalho de tantos anos. 6) Incentivo à formação da fé e da espiritualidade, à participação na Escola da fé, nos Retiros Mensais, as atividades diocesanas. 7) Apostar na formação das pessoas que essa é a primeira ‘obra’ que Deus nos pede. 8) Apelo à preservação de todo o património e, dentro desse esforço, um esforço maior para salvaguardar aquela que é a mais bela herança dos nossos antepassados: o património religioso e cultural. 9) Lembrar que mais importante que o património material é o património espiritual, mais importante que os edifícios são as pessoas. E a cultura destas comunidades está impregnada de religiosidade que deveis preservar. 10) Um último apelo: Acolhei de braços abertos e de coração sincero os padres que a Igreja vos mandar. Acolhei bem o Padre Daniel. Aprendei dele a jovialidade do evangelho, a alegria da fé e o encanto da música. 3. E, finalmente, um convite a dar graças e louvar o Senhor. Dar graças pelo mais importante: VÓS:’ familiares, paroquianos, pessoas com quem partilhei os últimos anos, e que agora se juntam ao rol dos meus amigos … vós foste o tesouro que o Senhor me deu por herança ao longo destes anos ‘ «Peço-vos que rezeis por mim»

publicado por julmar às 12:02
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Janeiro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ir ao feixe

. Vilar Maior no século XIX

. Requiescat in pace, Joaqu...

. D. Zézinha - Uma história...

. Encontro anual da gente d...

. Mulheres da minha Terra -...

. Facta carta apud Sabugal

. Perdão Real

. AS GRANDES OBRAS DO SÉCUL...

. Em defesa de mim

.arquivos

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds