Segunda-feira, 28 de Setembro de 2020

Tornar Vilar Maior numa aldeia cultural - Brincar é preciso

Escorrega.jpg

O Primeiro Escorrega

Este foi o mais antigo escorrega da Vila, junto ao Arco do Muro, concluídos em 1280. O barroco já ali tinha nascido há mihões de anos, uma oferta da natureza. Foi ali que a minha geração e todas as gerações anteriores experimentaram o prazer de escorregar. 

Seiscentos anos depois, tivemos o primeiro e único parque infantil constituído por um escorrega, por um baloiço e pela roda que vemos na fotografia. Difícil de imaginar o quão importante foi para as crianças que viviam ou visitavam a Vila. Lá está, uma pequena obra muito importante.

Há sítios muito interessantes para a sua instalação - Eiras, junto à Ponte, junto à Árvore das histórias, outros a sugeridos

 Obras de baixo custo com alta importância.

publicado por julmar às 10:16
link | comentar | favorito
Sábado, 26 de Setembro de 2020

Tornar Vilar Maior uma aldeia cultural- A árvore das histórias

historias.jpg

Volto a insistir: há muitas coisas que se podem fazer sem dinheiro ou com pouco dinheiro. Neste caso, alguém na vila há-de ter e não se importará de oferecer uma carteira daquelas que equipavam a escola primária; alguém arranjará um tronco semelhante ao da fotografia; e, pronto, eu encarrego-me das histórias. As crianças (o Edgar, o Lucas, o Hugo, os Vascos, o Afonso, a Catarina, o Gonçalo, a Helena ...) todos os que não sei, todos os que vierem visitar e todos os que estão para vir vão gostar de ler/ouvir histórias de encantar.

 

publicado por julmar às 18:30
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 24 de Setembro de 2020

Fazer da Vila uma aldeia cultural - A ver as estrelas

Fotografia de Carlos Fragoso

Já foi uma sorte ter nascido. Sorte acrescida foi ter nascido numa aldeia - que teimosamente as gentes continuam a chamar de Vila - onde pude aprender ou apreender a natureza de um modo natural que é como toda a gente a devia continuar a aprender. Lembro bem o local onde, sozinho, noite cerrada, dei comigo com oito anos vividos, espantado a olhar siderado o céu estrelado. A luz artificial mais próxima era a das velas da Igreja e a das candeias dentro de casa. A luz elétrica só lá bem longe na cidade da Guarda. E, nunca mais, até hoje, me cansei de olhar as noites estreladas da Vila no Castelo, ou nas margens do rio Cesarão. Bem mais tarde, entusiasmava-me, em aulas de filosofia ao explicar a ciência nova de Galileu e a demonstrar como "foi a olhar para o céu que os homens descobriram a terra".  Sim, a astronomia é o primeiro conhecimento científico construído pelo homem. 

Tudo isto, porque fiquei encantado com esta magnífica fotografia do Carlos Fragoso, que agradeço, e que me levou

a partilhar a ideia de que a nossa torre de menagem do castelo poderia tornar-se num centro de observação astronómica na vertente do astroturismo que, para além do Alqueva, considerado hoje um dos sítios melhores para a observação astronómica, existem pelo país. Embora, não seja coisa para amanhã (para amanhã já temos que chegue), não se pense que isto é uma coisa do outro mundo. 

publicado por julmar às 11:38
link | comentar | favorito

Rostos da Vila - O Cimo da Vila, ontem e hoje

DSC_0028 (2).JPG

Na primeira metade do século XX terá sido assim, com os três monumentos em destaque: O Castelo, a Igreja da Senhora do Castelo, a Igreja Matriz de S. Pedro com a Torre. De branco, a Igreja, as antigas escolas e três casas. O resto, as casas, na maioria rés do chão feitas de pedra e telha de capa e caleiro (telha de Nave de Haver). Pouca, vegetação, austera e apinhada de gente.

vm arsaio 5.JPG

Algumas casas feitas de raiz (a destoar do conjunto), outas que foram alteadas e uma grande parte em ruína e desabitadas.

publicado por julmar às 10:33
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 21 de Setembro de 2020

Da minha janela

ti fernando.jpg

Um dia um pouco diferente na Vila. A praça vazia o dia todo por ser dia do café fechar. Às sete da manhã, um autocarro de 50 lugares vem buscar a única estudante. Às sete da tarde, o meu amigo mais velho da Vila, com 98 anos, depois de escrever uma carta, vem metê-la na caixa do correio. Desce a praça e começa a leitura sobre as Cinco Vilas Medievais. Curva-se para ler até ao fundo cada uma das cinco faces do pentágono. O sol acaba de esconder-se para os lados do Carvalhal.

publicado por julmar às 21:33
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 20 de Setembro de 2020

Anta da Pedra da Anta, Malhada Sorda

anta da malhada.jpg

Tem uma descrição razoável na Wikipédia https://pt.wikipedia.org/wiki/Anta_da_Pedra_de_Anta

Já várias vezes ouvira falar nesta anta, várias vezes havia combinado ir lá. Ontem, num passeio habitual que faço pelas Moitas, esse planalto do Carril, confinante com as freguesias de Vilar Maior, Malhada Sorda, Nave de Haver e Aldeia da Ribeira, nessa grande extensão que outrora foi celeiro das freguesias citadas, mais tarde uma zona de exploração de volfrâmio e hoje aproveitado por criadores de vacas, perdi-me. Num dia enevoado a pensar que andava para sul, cada vez estava mais a norte. Foi nesta perdição que no meio de carvalhais se me deparou este magnífico monumento. Sinto-me sempre gratificado com aparições assim. Sei, assim, que lá pelo calcolítico, gente andou por aqui, quem sabe a mesma gente do vasto povoamento do Verdugal aqui tão próximo.  Por vezes, é bom perder-se. 

 

publicado por julmar às 17:43
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 9 de Setembro de 2020

Rostos da Vila, antes de ontem, ontem e hoje. Descubra as diferenças

1- década de 20a.jpg

O Chafariz ainda havia de chegar, em 1952. No primeiro plano temos o conjunto de casas propriedade de Alexandre Araújo que vendidas foram sofrendo alterações, à excepção dos herdeiros Celeste Araújo na parte posterior e a de Raul Araujo, à frente e ao centro. Por ali viveram as famílias de João Seixas Dias, Laurinda Cerdeira, Glória Bárbara e Augusto André. Do conjunto fazia também parte o forno de serviço público (o último a cozer pão) que o senhor Alexandre vendeu a Albino Freire. Havia e há na parte de trás um quintal que à medida que as casas eram vendidas era vendido um talhão do mesmo. Num desses construiu casa Mário Silva. Esta propiedade tinha (tem) um poço de água. Este conjunto de casas era, no exterior, rebocada e caiada o que à época era um sinal de poder económico e estatuto social, a constratar com o negro granito das restantes. Assim, podemos ver o reduzido número da casas brancas, contrastando com o rosto de hoje. As vistas são desafogadas sendo possível da praça ver a igreja com a torre que ainda não tinha o acrescento superior e estavam por construir ou altear um conjunto de casas que vão aparecer na segunda fotografia

8 IMG_0022.JPG

Este é o rosto da década de 60. Já tinha iniciado a emigração para França. A Torre está alteada, a Igreja continua desafogada das casas em frente e o Chafariz ocupa o lugar onde antes era um quintal pertencente a João Marques. Da frente das casas que eram de Alexandre Araújo só a do filho Raul se mantém inalterada. A Quelha, como vemos na placa toponimica na fachada de casa de Glória Bárbara, já foi calcetada e passou a Rua Dr Diamantino dos Santos. A casa de José Badana estva mais chegada à frente; aparececem alteadas as casas de Júlio Palos (que era uma lindíssima casa com balcão corrido, de granito e coberto), a casa de Zè Gil, Lucrécio Monteiro, António Seixas e Professor Gonçalves

festa1 20009 003.jpg

Mudou-se a vida mudaram-se as casas no seu tamanho, na sua cor, nas suas portas, nas suas janelas, nos seus telhados, nas suas varandas, na estrada preta, nos postes de eletricidade e de telefone, nos fios que conduzem luz e conversa, nas antenas que nos trazem o mundo distante e fazem esquecer os vizinhos ... assim se mudando um rosto por fora e um feitio por dentro.

publicado por julmar às 06:57
link | comentar | favorito
Sábado, 5 de Setembro de 2020

XI Almoço da Família Silva Leonardo

 

Captura de ecrã 2020-09-5, às 19.59.11.png

Captura de ecrã 2020-09-5, às 19.58.16.png

 

Hoje, é sábado da Festa do Senhor dos Aflitos.

Não parece. Não houve Alvorada, não há enfeites na aldeia, não há arcos, não há música e, nem sequer, o burburinho constante de familiares e amigos que se reencontram nesta altura do ano.

Hoje, desde há dez anos, era, também, o nosso Almoço de Família. Mas, tal como a festa, o Coronavírus levou a que suspendessemos o nosso tão esperado convívio e reencontro.

Para o ano, se tudo correr bem seremos mais e comemoraremos a duplicar. Este ano, estaremos todos unidos em pensamento.

 

 

 

 

publicado por julmar às 20:09
link | comentar | favorito

Vilar Maior eleito como objeto de estudo

Em 27 de agosto recebi o seguinte mail

"A Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto está a desenvolver um estudo sobre as condições de sustentabilidade de pequenos aglomerados urbanos. Nesse sentido foi Vilar Maior selecionada como uns dos casos de estudo, tendo já sido efectuado um primeiro reconhecimento no final do mês de Julho. Após pesquisa sobre transformações que têm ocorrido, contribuindo para aumentar a atractividade de Vilar Maior e para melhorar as condições de vida da população, surgiu-nos o seu nome em vários blogs, associado a publicações sobre o aglomerado.
Vimos por este meio perguntar se será possível na próxima semana ter um encontro consigo, preferencialmente em Vilar Maior, aonde pensamos deslocar-nos na próxima terça feira dia 1 de Setembro, durante a tarde - ou se nos poderia recomendar alguém com conhecimento sobre as iniciativas de melhoria do aglomerado.
Gostaríamos também de ter uma conversa com algum elemento da Junta que nos pudesse esclarecer quais as intervenções que tiveram lugar (já temos mapeadas as que observámos no reconhecimento que fizemos em Julho) e de quem foi a iniciativa e forma de cobertura orçamental.
Certos da sua adesão, aguardamos confirmação
Saudações
Rui Braz Afonso, Prof de Urbanística da FAUP

Acompanhou o professor Rui Afonso o seu assistente Dr Rui Alves com quem foi um prazer conversar longamente sobre Vilar Maior. Houve  um diálogo com o Presidente da Junta sobre a dinâmica de desenvolvimento de Vilar Maior. 

 É muito importante para Vilar Maior que seja objeto de  estudo, sobretudo, por gente sabe e que põe alma no que faz. Sucesso para o vosso trabalho. 

 

publicado por julmar às 08:50
link | comentar | favorito

Tornar Vilar Maior uma aldeia cultural, Hino do Senhor dos Aflitos

 

Aflitos.jpg

Hoje e amanhã deveríamos estar em festa: esperar a banda filarmónica de Loriga e, ao som dos instrumentos, em marcha triunfante percorrer as ruas, experienciando um sentimento especial anualmente repetido; haveria foguetes de lágrimas a iluminar o céu, enquanto em passo cadenciado ao som do hino de Fátima, os devotos empunhando a vela crêem poder dissipar as trevas que ameaçam apagar a luz. Haveria reza do terço no largo do Senhor dos Aflitos. Depois haveria, pela noite fora, muita luz, muita música, muita dança e conversa acompanhada de cerveja. 

Não estaremos em festa. Mas todos estaremos unidos, acreditando que os tempos bons virão, que a festa voltará. Em post aqui publicado em 27/2/2020  https://vilarmaior1.blogs.sapo.pt/como-tornar-vilar-maior-numa-aldeia-499222

sugeria:

"O Senhor dos Aflitos e a sua festa são, creio, indiscutivelmente, o ponto mais forte que une os vilarmaiorenses e o Hino é como se fosse o hino de Vilar Maior. Por que não fixar a sua letra no exterior da capela ( na parte frontal, lateral ou em suporte independente?) Em suporte cerâmico ou outro são questões técnicas. Se a vida de Vilar Maior passa por uma vertente de turismo esse terá de ser cultural, feito dos monumentos, das tradições e de histórias. Estas é preciso contá-las".   

Temos em Vilar Maior instituições que, certamente, se empenharão em tornar Vilar Maior numa Aldeia Cultural: Junta de Freguesia, Associação Cultural, Misericórdia e a Paróquia. E, ainda que especial, a mordomia do Senhor dos Aflitos é também ela uma instituição, a ela (à presente ou às recentes que ainda disponham de verba) fica o repto para, até à próxima festa, a concretização desta obra de baixo custo mas com um elevado valor cultural.

Nota: Há particulares dispostos a suportar o custo da obra, porém, penso que esta deveria ser uma obra de todos, representada por uma comissão de mordomos.

I

Nosso Senhor dos Aflitos

De dois anjos ladeado

Atendei corações contritos

Defendei-nos do pecado.

CORO

Ao deixar-te, ó meu Jesus

Ouvi hoje rogos meus

Derramai as vossas bênçãos

Aceitai o meu adeus

II

Nas desditas desta vida

E nas horas de aflição

Teu coração por nós palpita

Sede nossa consolação

III

Rei de Amor, Rei de Beleza

Sois o Deus, sois o Senhor

Canta a Terra Portuguesa

Canta o povo de Vilar Maior.

publicado por julmar às 06:42
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Outubro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Requiescat in pace, José ...

. Rostos da Vila - O Buraco

. Espalhar palavras pela Vi...

. Tornar Vilar Maior uma al...

. Requiescat in pace, Ferna...

. Divulgar as cinco Vilas M...

. Tornar Vilar Maior numa a...

. Tornar Vilar Maior uma al...

. Fazer da Vila uma aldeia ...

. Rostos da Vila - O Cimo d...

.arquivos

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds