Quarta-feira, 30 de Junho de 2021

A noiva arraiana

'Romances' que os nossos pais e avós recitavam - sobretudo as mulheres - nos serões das longas noites de Inverno. A ti Olinda desfiava-os, em rosário, uns a seguir aos outros.
 
- «Deus vos salve, minha tia,
Na vossa roca a fiar!»
- «Venha embora o cavaleiro
Tão cortês no seu falar!»
- «Má hora se ele foi, tia,
Má hora torna a voltar!
Que já ninguém o conhece
De mudado que há-de estar.
Por lá o matassem moiros,
Se assim tinha de tornar!»
- «Ai sobrinho de minha alma,
Que és tu pelo teu falar!
Não vês estes olhos, filho,
Que cegaram de chorar?»
- «E meu pai e minha mãe,
Tia, que os quero abraçar?»
- «Teu pai é morto, sobrinho,
Tua mãe foi a enterrar.»
- «Qu’é da minha armada, tia,
Que eu aqui mandei estar?»
- «A tua armada, sobrinha,
Mandou-a o fronteiro ao mar.»
- «Qu’é do meu cavalo, tia,
Que eu aqui deixei ficar?»
- «O teu cavalo, sobrinho,
El-rei o mandou tomar.»
- «Qu’é de minha dama, tia,
Que aqui ficou a chorar?»
- «Tua dama faz hoje a boda,
Amanhã se vai casar.»
- «Dizei-me onde é, minha tia,
Que me quero lá chegar.»
- «Sobrinho, não digo, não,
Que te podem lá matar.»
- «Não me matam, minha tia;
Cortesia eu sei usar:
E onde faltar cortesia,
Esta espada há-de chegar.»

- «Salve Deus, ó lá da boda,
Em bem seja o seu folgar!»
- «Venha embora o cavaleiro;
- «Salve Deus, ó lá da boda,
Em bem seja o seu folgar!»
- «Venha embora o cavaleiro;

Vindo ela lá de dentro
Toda lavada em chorar,
Mal que viu o cavaleiro,
Quis morrer, quis desmaiar.
- «Se tu choras por me veres,
Já me quero retirar;
Se é os teus gastos que choras,
Aqui estou para os pagar.»
- «Pagar devia co’a vida
Quem me queria enganar,
Quando te deram por morto
Nessas terras de além mar.
Mas que fiquem com a boda
E bem lhes preste o jantar,
Que os meus primeiros amores
Ninguém mos há-de quitar.»

- Venha juiz de Castela,
Alcaide de Portugal;
Que, se aqui não há justiça,
Co’esta espada a hei-de tomar.»
 
Romanceiro, Almeida Garrett
(publicada em Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente)
publicado por julmar às 10:38
link | comentar | favorito
Terça-feira, 22 de Junho de 2021

Tornar Vilar Maior uma aldeia cultural -O Canhão

canhão da VM.jpg

Descrição - Fragmento de canhão de forma cilíndrica em ferro fundido. Vilar Maior. Séc. XVIII/XIX

Por vezes, levo comigo gente que gosta de conhecer as minhas terras e as as minhas gentes. Desta vez, trouxe um amigo, um homem culto com sensibilidade artística. Como jornalista que é procura informação, conversa com pessoas e faz muitas perguntas. Chegados à Guarda, com algum tempo antes de almoço decidimos visitar o Museu, ele pela primeira vez e eu já semmemória da última. Mas lembro que no piso superior se encontrava, para além de uma área etnográfica com artefatos  que traduziam os modos de vida da região, uma parte arqueológica na qual se encontrava exposta uma espada de Vilar Maior (900 anos a.C) e que tinha especial gosto em mostrar ao meu amigo. Porém, o museu estava reduzido ao piso do rés do chão.  Na parte superior procediam a uma instalação de uma exposição temporária.

Conseguimos falar com o sr diretor do museu que, amavelmente, nos informou que a espada seencontrava em depósito. E, sabendo bem que não depende dele,  referi que o canhão que se encontra à entrada deste museu deveria voltar ao local onde eexerceu funções.  O canhão encontrava-se estrategicamente localizado no muro do adro da igreja matriz apontado para nascente ( a ponte era o lugar de acesso para quem vinha de Espanha). No referido muro ainda é possível ver as pedras trabalhadas que serviam de suporte.

O canhão saiu, juntamente com o de Alfaiates, que se encontra no mesmo sítio no lado oposto, na porta principal que dá acesso ao museu, no ano de 1940 em que entrava em funcionamento, no contexto das comemorações centenárias da independência nacional (1640-1940). 

O canhão terá servido durante as invasões Francesas e, provavelmente durante as lutas liberais. A prova do seu uso foram as inúmeras balas de canhão encontradas no raio da sua ação.

Deveríamos reinvindicaro seu retorno para contar, in loco, a história da Vila no contexto da História nacional. 

Quem nos ouve?

publicado por julmar às 12:25
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 16 de Junho de 2021

Os Lúcios da Vila e os outros Silvas

Varanda do Xico Bárbara.jpg

Casa onde viveu (antes do ti Francisco Bárbara e do atual proprietário que a reconstruiu) José Silva, Lúcio Silva e mais tarde Ana Silva

A antroponímia ocupa-se do nome das pessoas, sendo que está ligada a um interessante ramo da antropologia, o parentesco que, sendo uma construção social, se funda no facto natural da reprodução dos indivíduos. E, ao contrário de outras classes de seres em que basta um nome comum para os designar, aos seres humanos que nascem é preciso dar-lhe um nome próprio a que se acrescenta o nome de família ou sobrenome. Em comunidades relativamente fechadas e que tendem mais para endogamia, por vezes, o repertório de nomes disponiveis é limitado, pelo que se recorre a outros complementos - pai, filho, novo, velho ou indicação do lugar onde vive ou, ainda, o recurso a alcunhas. Para o nome próprio, a maior parte das vezes, recorre-se ao nome dos progenitores, dos avós, tios ou pessoas consideradas.

Em Vilar Maior, lá pelos anos de 1850, vive José Silva de ascendência materna que não podemos precisar. Sabemos, contudo, ser filho de um padre,  condição à época não invulgar. O pai proporcionou-lhe estudos com vista à sua ordenação sacerdotal que não se verificou. No entanto, esses estudos permitiram-lhe o exercício da função de escrivão de Juiz de Paz e de Secretário da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia, durante longos anos. Proprietário de uma quinta nos Vales, casou com Maria Valério de quem teve um filho a que chamou Lúcio. Este casou com Josefa Costa e teve um filho a que deu o nome de Bernardo, outro a que deu o nome de José Lúcio e uma filha a que chamou Ana. Todos Silva. Cada um deles, por sua vez, deu o nome de Lúcio a um dos filhos. 

Entretanto, José da Silva, presumido filho do padre Florêncio José da Silva que , nos anos cinquenta e sessenta do século  XIX, exerce as funções de capelão da Misericórdia de Vilar Maior, viúvo de Maria Valério, casou com Margarida Joaquina Pereira, natural de Nave de Haver, filha de um ferreiro que havia de ensinar a profissão aos netos, dos quais se distinguiu na arte o ti Zé Silva. Moradores na Rua Direita, tiveram uma extensa prole, quatro filhos (Francisco, Joaquim, António e José) e cinco filhas (Maria, Isabel, Leopoldina, Ana e Teresa).

Os Silvas, como acontecia antigamente, casaram, sobretudo os mais antigos, quase todos com pessoas da Vila, das seguintes famílias: Monteiro, Leonardo, Caramelo, Marques,  Alves, Dias, Gonçalves, Seixas, Valério, Gouveia, entre outras.

  Assim, a família Silva cresceu e multipicou-se cumprindo a ordem do criador, espalhou--se pelos cinco continentes. E se não fora a desobediência (o desmando, a paixão, a loucura) do meu trisavô, nenhum dos Lúcios e dos outros Silvas teria visto a luz do dia, nem eu estaria aqui a contar esta história.

publicado por julmar às 11:25
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 11 de Junho de 2021

Requiescat in pace, Leonor Cerdeira

IMG_0607.jpg

 

Residente nos últimos anos de uma longa vida (95, anos), no Lar da Malhada Sorda,faleceu Leonor Jacinto Cerdeira, viúva de César Cerdeira Seixas, mãe do Dr. Joaquim Seixas, sepultada em Vilar Maior no dia 10 de Junho. Ao contrário de muitas famílias da Vila que migravam para Lisboa, a família Cerdeira Seixas estabeleceu residência no Porto. Muitos foram os conterrâneos que precisando tratar de diferentes assuntos na Invicta, nomeadamente emigrantes que precisavam de arranjar passaportes, tinham como apoio e residência passageira a casa desta família, sempre pronta a ajudar família, amigos e conterrâneos. Por laços familiares e vizinhança na cidade do Porto, sinto a perda appresentando condolências à família, de um modo especial ao Quim Zé. 

publicado por julmar às 19:10
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Julho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Tornar Vilar Maior uma al...

. A noiva arraiana

. Tornar Vilar Maior uma al...

. Os Lúcios da Vila e os ou...

. Requiescat in pace, Leono...

. Feliz Páscoa - Mandar rez...

. Igreja da Senhora do Cast...

. Gente da minha terra

. Manto Branco

. Projeto "Tornar Vilar Mai...

.arquivos

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds