Sexta-feira, 19 de Novembro de 2021

Encontro anual da gente da vila

Encontro de lisboa.JPG

1969 (?)

Durante vários anos, os vilarmaiorenses que haviam procurado Lisboa para fugir à parvónia, reuniam-se, anualmente, e confraternizavam. A eles se juntavam alguns que iam da Vila. Assim se fortaleciam os laços e se alimentavam as raizes. 

publicado por julmar às 11:27
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 15 de Novembro de 2021

Mulheres da minha Terra - Dona Zézinha

raul6.JPG

D. Zezinha e filho

Marias há muitas. Tantas que, se nada se acrescentasse antes ou depois do nome, dificilmente se saberia de quem se estava a falar. Daí que, a maior parte das vezes, se lhe apusesse mais um nome próprio, um qualquer. Mas tratando-se de mulher que por linhagem, riqueza, educação ou posição social se quisesse distinguir, poderia fazer-se anteceder o  nome de “Dona”.  Recordo a Dona Maria, filha de Dona Evangelina, da linhagem antiga dos Osório Fonseca. O mais frequente era substituir, no trato social, Maria por Marquinha. E aqui os da minha geração, basta puxarem pela memória para lhes ocorrer um rol de Marquinhas. Destas, uma ou outra, perdida a primeira sílaba,  ficava a ser tratada como Quinha. 

Mas voltando às Donas do século XX, falamos, hoje, de uma Maria, a Dona Zézinha, que de nome completo era Maria José de Oliveira Morais, sendo que, por vezes, aparece Gouveia em vez de Morais.  Das muitas proibições que havia à época, extensivas a todos os cidadãos, algumas tão ridículas como a de usar isqueiro, outras se acrescentavam às mulheres, como, por exemplo, a de entrar na igreja de cabeça descoberta e, outras ainda, às professoras que tinham de obter licença do Governo, devendo o noivo apresentar um atestado de bom comportamento moral e civil e, um outro, que atestasse que auferia rendimento superior ao ordenado da noiva. Tempos do Estado Novo. 

Jovem muito pretendida, não só por saber ler, coisa incomum, certamente pela origem social, quiçá pelo porte físico, veio a ser consorte de Raul Gouveia Araújo, filho de Alexandre Gonçalves Araújo e de Mariana Fonseca Gouveia. O senhor Alexandre, um dos mais ricos proprietários, mantinha na família um estilo de vida citadino que os rendimentos agrícolas e rendas não suportavam, como pudemos constatar com a consulta ao livro do Deve e Haver do comércio do Sr António Gata, onde está descrita a quantidade e espécie dos produtos consumidos e respetivos valores. O remédio era pedir emprestado e vender, uma após outra, algumas das propriedades. A extensa prole de filhos e filhas foram casando, uns saindo da terra ( Figueira da Foz, Gerês...).Na Vila,  ficou a  Celestinha - jovem de rara beleza que trouxe até cá o principe encantado, conduzindo um automóvel por caminho impróprio para a viatura,  que a estrada ainda havia demorar a chegar. O primeiro automóvel a entrar na Vila. Fosse por causa da ínvia caminhada ou por razão que desconhecemos, o príncipe não voltou. Haveria de casar com José Ferreira Franco, ex-seminarista, ex-soldado, com mais cultura que a maior parte dos seus conterrâneos, agricultor forçado pela necessidade, fazendo barbas e cortando cabelos, aplicando injeções a doentes, enquanto a sua Celeste fazia crochet. A Celestinha, a quem o sol não crestava no campo, ficava por casa, qual Penélope, a fazer rendas sem fim. 

O Raúl, também, ficou pela Vila. Com a educação que os pais lhe deram, com resto de propriedades partidas e repartidas, já pouco poderia vender. Por isso, o senhor Raul era um pouco agricultor, um pouco sapateiro, um pouco pescador, um pouco caçador. Por pouco tempo, regedor, também. Talvez , informador, também. Por isso, quando todos foram para França, o senhor Raul, que era um pouco trabalhador, foi e não voltou mais. Haveria de ir a D. Zezinha que não voltaria mais. E o filho, o Carlos Alexandre, meu colega de seminário iria para a França, também. Passados muitos anos, veio de visita. Não voltou, não voltará mais.

Das muitas coisas que via do balcão da casa onde nasci, todos os dias via esta família. Num dia soalheiro de dezembro, a casa do senhor Raul estava mais movimentada. Tinha-se matado o marrano, nessa manhã, e ao farto almoço desses dias acorria sempre mais gente. Do meu balão, ouvi um tiro e a seguir, uma grande confusão. O Alexandre pegara na espingarda e disparara, tendo atingido a irmã Adelina, felizmente, sem gravidade. 

 

publicado por julmar às 11:08
link | comentar | favorito
Terça-feira, 2 de Novembro de 2021

Facta carta apud Sabugal

Um dos documentos basilares da História da Vila: Monarquia Lusitana, V Parte

Facta carta apud sabugal.jpg

 

publicado por julmar às 20:57
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Janeiro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Ir ao feixe

. Vilar Maior no século XIX

. Requiescat in pace, Joaqu...

. D. Zézinha - Uma história...

. Encontro anual da gente d...

. Mulheres da minha Terra -...

. Facta carta apud Sabugal

. Perdão Real

. AS GRANDES OBRAS DO SÉCUL...

. Em defesa de mim

.arquivos

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds