Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Oficina de lavores, no âmbito da Comemoração da doação do foral de D.Dinis

Lavores.JPG

A linha corria, ansiosa, pela agulha. Tinham-lhe dito que iria ser vista e admirada por muitas pessoas, mesmo anos após a sua geradora  terminar o trabalho.

Maria da Graça tinha nas linhas e nas agulhas as suas maiores confidentes. Não havia momento algum em que estas não estivessem presentes. Enquanto o seu João trabalhava a terra, a Graça levava o seu açafate e as suas mãos ganhavam vida própria. Entre os seus dedos, passava a linha e ponto aberto, aqui, ponto fechado, ali, laçada após laçada o seu trabalho ganhava forma. E que lindos trabalhos!

Assim, surgiram, toalhas, colchas, naperons e outros trabalhos que tais. Não havia ninguém que não conhecesse a sua arte. Juntamente com a ti Olinda, a ti Filomena, a ti Olímpia, era vê-las a trabalhar na sua arte e a partilharem os seus conhecimentos.

Herdei da minha avó Graça este gosto pelos lavores. Quem me conhece, diz que sou como ela quando estou a bordar ou a fazer outro tipo de trabalho deste género: trabalho, mas nem sequer olho para o que estou a fazer. Sai-me mecanicamente. Desde que o dedo dê a laçada ou o ponto esteja certo, a teia continua.

Quando, este ano, a propósito da comemoração dos 725 anos do Foral de D. Dinis, se decidiu organizar várias oficinas relacionadas com as artes e ofícios de Vilar Maior, não tive dúvida alguma. De modo a homenagear a minha avó, decidi, imediatamente, dinamizar esta oficina.

Juntaram-se a mim mulheres de Vilar Maior que, tal como a minha avó e os seus familiares davam vida a estes trabalhos: as irmãs Filomena, Ana e Beatriz André; as irmãs Ana Maria, Filomena e Leonor Cunha, a ti Olímpia, a Maria Cândida Cardoso e Maria Cardoso, a Kina e a Carla Seixas. Nesses dias, contámos histórias, costurámos, bordámos, fizemos renda, lembramo-nos do passado que está sempre presente. 

O trabalho realizado nesta oficina foi colocado na mesa dos reis, no banquete realPara além disso, ajudaram à organização da exposição de Artes e Lavores, onde foram expostos os trabalhos feitos pelos seus antepassados e por elas próprias, juntamente com utensílios ligados à produção do linho, candeias e vassouras de bracejo.

Agradeço a todas pela participação e empenho.

(Susana Seixas Marques)

 

publicado por julmar às 16:39
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

O barroco que fala

Barroco, joão reis.jpg

Todos, homens e mulheres, novos e velhos, se queixavam das parcas terras de cultivo e todos concordavam quanto à pobreza dos solos que fazia a pobreza das gentes. A esperança surgia incrédula na boca da Graça, sempre a queixar-se do negrume da pedra: - Ah! Mas se um dia os barrocos tiverem valor, vamos todos ser ricos! 

A Graça morreu, os anos passaram e começou a ouvir falar-se de um minério que se poderia extrair dos barrocos. Começou a soar que o lítio haveria de ser o novo petróleo que iria puxar a carroça do mundo.

Antes que tal acontecesse, surgiu, numa quinta feira, um sujeito que se dizia ser de Quarta Feira e que, na Vila, já obrara alguns milagres que, já, não aconteciam desde que Cristo veio ao mundo. Numa sexta feira, sem grandes mesuras, ele, para quem a pedra não guardava segredos, escolheu um anónimo barroco e, sem dizer a ninguém, disse-o ao barroco: 

"És tu, anónimo barroco, tão inxepressivo como os teus ignotos irmãos, que vais ser o mensageiro dos novos tempos que se aproximam".

Transportado para o largo do Pelourinho que, do alto da sua gaiola, haveria de ser a testemunha da transformação do barroco dormente e inerte numa outra coisa jamais vista. Cortou-lhe os excessos, raspou-lhe o musgo, aplanou-lhe a superfície. Convocou discípulos impreparados, meteu-lhes maço e cinzel na mão, no suposto que ao fazer haveriam de transformar a pedra e esta os transformaria a eles. Assim, se fez ouvir, no largo, a batuca do sulcar da pedra, trucatruca, trucatruca.  E o mudo barroco, lenta e progressivamente, ia fixando a mensagem curta e duradoura, até a saber completa e de cor, incrédulo do que lhe estava a acontecer. Pronto, pediu que o levassem, junto do castelo e, com olhos emprestados, escolheu o lugar que lhe pareceu adequado para mostrar a mensagem que, orgulhosamente, ostentava:

Villar Mayor

725

anos

Foral D. Dinis

Dizia o pedreiro de Quarta Feira que se a rainha D. Isabel transformara pão em rosas, não via razão para ele não fazer falar um barroco. 

Outros milagres se seguirão.

 

publicado por julmar às 10:36
link | comentar | favorito (1)
Quarta-feira, 10 de Agosto de 2022

Requiescat in pace, Filomena Duarte

Tia filomena2.JPG

Filomena Dias Duarte, filha de  José Duarte e de Joaquina Dias, no ano de 1921, faleceu ontem no lar da Santa Casa da Misericórdia. Era a pessoa mais idosa do lar e de Vilar Maior. Por vezes, há vidas importantes que se vivem no silêncio e na humildade. A tia Mena tinha duas irmãs (a Ana e a Beatriz, esta ainda viva) e um irmão, o João. O pai era sapateiro de profissão, nome que acabou por servir de identificação dos filhos. A ti Mena, viveu a sua vida na casa que era dos seus pais, nos Craveiros. Talvez nunca tenha saído da Vila, antes da sua primeira ida de urgência para o hospiatal da Guarda de onde saiu para o lar de Alfaiates. Num tempo em que não era comum as mulheres aprenderem a ler, lia e escrevia corretamente. Pergunto-me onde foi buscar uma educação tão cuidada, um trato tão afável, o cuidadado com tudo e com todos. Cuidado que começava consigo, na forma como vivia, ganhando o próprio sustento, cultivando os alimentos. Durante muitos anos, pelo natal, oferecia-lhe "O Seringador" que ela tanto apreciava. Exercia com esmero o ofício de costureira e ensinava-o às raparigas que, feita a quarta classe, lhes haveria de ser útil pela vida fora. Durante muitos anos, a liturgia da Igreja ficava muito mais animada pois os cânticos estavam a seu cargo. A sua longa vida foi uma longa oração sem intervervalos. Há vidas que valem a pena. Continuará connosco.

publicado por julmar às 07:32
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 8 de Agosto de 2022

Tornar Vilar Maior uma aldeia cultural - Comemoração

Pode ser uma imagem de texto

São muitas as formas de tornar Vilar Maior uma aldeia cultural. Talvez estejamos a trilhar o caminho certo para o conseguir, um caminho que não tem fim, porque a cultura, como a vida, não tem intervalos. Todos os vilarmaiorenses são chamados a este projeto, cada um dando um pouco de si. Um primeiro e importante passo poderá ser inscrever-se sócio da associação. 

publicado por julmar às 07:55
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Setembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. A bela Aurora Raiana

. Requiescat in pace, Lúcio...

. Requiescat in pace, João ...

. Oficina de lavores, no âm...

. O barroco que fala

. Requiescat in pace, Filom...

. Tornar Vilar Maior uma al...

. O Cimento, sempre

. Parabéns a você, Lúcia

. Requiescat in pace, Josef...

.arquivos

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds