Quinta-feira, 29 de Setembro de 2022

Requiescat in Pace, Professora Mariazinha

prof maria.jpg

Tocaram os sinos. Mais uma luz que se apaga na Vila, mais uma casa que se fecha. Faleceu, hoje, no Porto, a professora Mariazinha. O funeral será, amanhã, em Vilar Maior, às 15 horas. Contava 93 anos, grande parte deles, passados em Vilar Maior onde lecionou durante 25 anos. Foi casada com Carlos Dias Freire. 

Apresentamos condolências a toda a família.

publicado por julmar às 14:43
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Setembro de 2022

Histórias quase reais

procissão sr dos aflitos.jpg

Prefácio

«Tu misturas de maneira impressionante, nos teus discursos, o véu, a foice e o trigo, e tens razão, já que as coisas estão todas ligadas umas às outras e no Senhor são apenas uma, mas nos nossos olhos estão bordadas no véu da multiplicidade”

Thomas Mann

Pudéssemos nós, com suficiente pormenor, contar a história de um lavrador, de um jornaleiro, de uma costureira, do homem que conserta os pratos, do empalhador de garrafões, do homem do ferro velho, do amola tesouras, do comprador de cornachos, do apanhador de batatas, do senhor reitor ou do triteiro e teríamos aprendido o viver desta comunidade rural, espelho de muitas outras. Porque conhecer uma comunidade pelos instrumentos que usa, pelas tarefas que executa, pelas relações sociais, pelos produtos que consome, cria, transforma ou troca não é, ainda, se não conhecermos exteriormente essa comunidade, como se conhece uma máquina. Se queremos ir mais além na sua compreensão, então, temos de captar-lhe a alma, o sentir e o sentimento. É preciso sabê-lo, como saber e como sabor. Não poderemos ficar no domínio das ações, apenas, mas teremos que passar ao reino das paixões, de todas aquelas afeções nascidas na alma e que têm no corpo o seu palco: a alegria, o amor, a admiração, a glória … e seus opostos. Não o saberíamos fazer da forma perfeita, que o mais certo é não existir. Por isso, o que oferecemos são memórias de pessoas e lugares, histórias … quase reais, em que nunca saberemos onde começa a realidade e acaba a ficção. Importante mesmo é que motivemos o querido leitor a puxar pela memória, pela sua memória para poder «contar a si mesmo a sua própria história». Porque como diz Maria Zambrano:

“Quem não sabe o que lhe acontece puxa pela memória para salvar a interpretação do seu conto, pois não é totalmente infeliz quem puder contar a si mesmo a sua própria história”

Um livro perfeito que nos diga tudo é um livro inútil. Esta é a boa razão que me levou ao atrevimento de poder apresentar-lhe este livro imperfeito, pedindo-lhe a si, leitor, que o corrija, cortando, acrescentando, discordando tanto quanto for necessário para «salvar a interpretação do seu conto». À medida que for lendo, contará a sua própria história reconstruindo a viagem que o levou até onde se encontra agora. Todos temos um paraíso perdido que é todo o tempo passado com tudo o que nele ficou marcado. A maior parte talvez tenha perdido o lugar onde nasceu, talvez uma aldeia como Vilar Maior, e, no meio de todas as casas, a casa onde nasceu. E essa ficou para sempre a ser A Casa. A casa que um dia teve de deixar. A casa está na nossa memória como a conhecemos. Morreram as pessoas que a habitavam. Um dia fechou-se para sempre … até que, ano após ano, o vento, a chuva e o sol pacientemente, persistentemente, desgastaram os materiais. Primeiro foi uma telha e a seguir outra e outra até não haver mais; depois foi a porta e a janela até ficarem quatro paredes nuas. As silvas treparam pela porta e pela janela e lá dentro nasceu uma figueira; sabugueiros cresceram acima das paredes e de forma tão perfeita se combinaram que quando se desdobram em flores a casa se transforma num arranjo floral. Um arranjo floral triste. Pela casa, pelas casas, pelas ruas, pelos largos, pela ribeira, pelos caminhos, pelos campos, pelos gados, pelas gentes, por aí passa o conto das nossas vidas. As vidas da minha gente.

publicado por julmar às 10:51
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 23 de Setembro de 2022

A bela Aurora Raiana

aurora raiana1.jpg

Primeira aurora do mês da agosto de 2022. Além da terra e da gente, há o espaço sideral com as suas manifestações. Anda muita gente (pre) ocupada em conhecer mundo em viagens, mais ou menos longas, na procura de beleza natural ou artificial, de História ou de histórias, do passado mais ou menos longinquo, de sabores ou odores exóticos. Muita dessa gente nunca terá contemplado a abóbada celeste no seu esplendor estelar ou resplendor da aurora.  Mas vale a pena, se decidir que há-de despertar primeiro que o sol.

A fotografia, em cima, é uma das 27 fotografias das auroras raianas do mês de agosto. Todos os dias desse mês vi nascer o sol (27 dias em Vilar Maior e cinco dias em V. N. de Gaia). Cada dia tem uma aurora diferente e desenvolve-se num curto espaço de tempo. A maior parte das vezes, a aurora desaparece com o levantar do astro rei; por vezes, assoma e uma nuvem, mais ou menos escura cai sobre ela; outras vezes, entristece lenta e desaparece. O pôr do sol é outra coisa, belo também, mas é lá para o outro lado onde tudo acaba.

aurora3.jpg

publicado por julmar às 17:32
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Setembro de 2022

Requiescat in pace, Lúcio da Silva. Morreu o último Lúcio da Vila

Lúcio.jpg

Faleceu Lúcio Dias da Silva, em Braga, onde residia desde há muitos anos. O funeral será dia 21 e será sepultado no cemitério de Monte d'Arcos. 

Era fillho de Bernardo Silva e de Alice Dias (Sequeira) . Para um maior conhecimento desta família poderá ler o post publicado neste blog em 16-07-2021:

https://vilarmaior1.blogs.sapo.pt/os-lucios-da-vila-e-os-outros-silvas-530400

Apresentamos aos familiares sentidas condolências

publicado por julmar às 10:43
link | comentar | favorito
Sábado, 3 de Setembro de 2022

Requiescat in pace, João Badana

Tocou a sinal. Mais um conterrâneo que parte.

j badana.jpg

Para a família, as nossas condolências.

publicado por julmar às 20:43
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Novembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. O Barroco dos Martírios

. Requiescat in pace, José ...

. A cortelha do marrano

. Aldeias que morrem

. Requiescat in pace, José ...

. Requiescat in Pace, Profe...

. Histórias quase reais

. A bela Aurora Raiana

. Requiescat in pace, Lúcio...

. Requiescat in pace, João ...

.arquivos

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds