Terça-feira, 22 de Novembro de 2022

O Barroco dos Martírios

Barrocoo do martirios.jpg

Barrocos há muitos, na Vila e nos seus termos. Apesar de, por si, não se poderem mover por não terem recebido o sopro da vida, têm um sentido gregário preferindo estar juntos uns dos outros, formando cabeços, penedias, rochedos, encarapitando-se uns sobre os outros, sendo, naturalmente, mais felizes os que podem espreitar a vida dos homens. A maior parte deles, vive no anonimato, a não ser que algum tenha tomado uma forma caprichosa com formas e feições que a natureza neles foi inscrevendo, num tempo quase eterno ou tenha sido testemunha ou palco de acontecimentos invulgares, ou tenha sido chamado a lembrar aos vindouros um fato relevante, como aconteceu ao Barroco que Fala,  no anonimato continuarão. 

Assim, sendo um caso tão raro um barroco sair do anonimato, alguém haveria de me castigar por ter dito o que fica dito se não desse voz ao Barroco dos Martírios. Perguntei-lhe, então, donde vieste e ficou mudo, como só um barroco sabe ficar. Enorme que é e não tendo pés, nem asas, nem barbatanas, poderia não ter vindo de nenhures e ter nascido ali. Até, como veremos, é um sítio bonito e estratégico, senão para viver, para ser ali que é o mais comum dos destinos dos barrocos. Sorte dele que, até hoje, ninguém se lembrou de chegar lá, e, sem dó nem piedade, com um martelão ou com mecha e pólvora, desfazê-lo em pedaços, por considerarem que alguma utilidade teria noutro lugar. Facto é que ele carregava sobre si fortes responsabilidades. Com efeito, calhou estar no sítio certo, porque uns homens, há uns séculos atrás - para o barroco, atendendo à sua idade, é como se tivesse sido hoje ao entardecer - viviam cheios de medo que outros homens entrassem no sítio onde moravam  e decidiram que ali haviam de construir um muro tão forte que os impediria de entrar na cidadela  e, deste modo, o incumbiram de alicerce dessa função defensiva. Chegados ali, os atacantes, olhavam o barroco e o muro que sobre ele se erguia e desistiam,  - por aqui não vamos lá!

Se lá foram por outro lado, o barroco não sabia. 

Passaram anos e anos, que a ele não lhe pesavam,  e ouviu os maus tratos que aos barrocos davam com marrtelo e cinzel: Truca- truca, truca-truca, abrindo um buraco aqui e outro em frente e outro adiante, a talharem um bloco, desfigurando a natureza de ser barroco . Se repararem lá está o barroco pequeno com  cicatrizes. Por mim, preferia o outro, onde as crianças se divertiam a escorregar como se fizessem uma longa viagem até ao chão. A um outro barroco, na face lisa, a espreitar à superfície, riscaram um quadrado com linhas para um lado e para outro e apareciam por lá homens a jogar pedrinhas em cima como se não tivessem mais que fazer. Ficava mudo e quedo, como é da sua natureza. Não dava importância, nem sabia o que isso era. Talharam a seu lado pedras, em forma de escadaria por onde seres transitórios passavam para cima e para baixo. Em certas ocasiões, paravam todos, por momentos,  em cima dos blocos de pedra, feitos à custa de irmãos seus despedaçados, como se naquele instantâneo disparo quisessem ficar eternos como ele. 

Coitados destes bípedes implumes tão frágeis, tão efémeros a quererem num instante de felicidade ameaçada,  eternizarem-se num retrato. Comecei a ouvir a voz do barroco:

 - De ano a ano, por alturas da Primavera, parava aqui uma multidão, frente ao paço, enfeitado com flores tristes, e panais roxos, e uma cruz metálica, lamuriando orações e entoando lúgubres cânticos.  Por mim, nunca senti medo, nem tisteza, nem dor, nem qualquer paixão triste, nem ira, nem ódio, nem inveja, nem qualque paixão alegre, nem desejo de ser isto ou aquilo ou de não ser. Por ser barroco não me interessava com as sentenças que na sala, posta sobre mim,  que as sentenças proferidas pelo juiz fossem justas ou injustas; não me interessavam as lições do professor Rosa nem as reguadas que, generosamente, distribuía; ouvi, vezes sem conta, o cantarolar da tabuada e as contas que, para mim, estão feitas ab initio. Nem sequer me afetavam as palavras do professor Rosa quando insultava os alunos - "Tens a cabeça dura como uma pedra."  Quanto aos martírios que infligiam aos presos na cadeia, a meu lado, era diferente: a dor era tão grande que nem uma natureza empedernida como a minha podia ficar indiferente. Às mulheres que, nas tardes de invernos soalheiros,  me vinham fazer companhia, fazendo meias da lã churra das ovelhas  enquanto teciam agasalhos para o corpo, ouvi eu dizer que meu nome era o Barroco dos Martírios. Seria, não porque eu fosse o algoz mas, tão só, a testemunha da dor dos outros. Paredes meias comigo havia a prisão, e era impossível não ouvir os gritos de dor dos prisioneiros sujeitos a martírios. Mudavam os prisioneiros e os carcereiros mas eu continuava lá. Só alguém como eu poderia resistir tão imperturbável e durante tanto tempo à dor, à maldade e à injustiça dos homens. 

E o barroco, como se a lígua se tivesse soltado, continuou, como se fora um deus.

 - Nada é como era, só eu sou aquilo que era e serei aquilo que sou. Também tu, o único que até hoje me ouviu, deixarás de ser e se fores memória  em alguém, será por esta nossa conversa. Não te disse quase nada mas sei tudo quanto aqui se passou: da câmara e do tribunal, da escola e da prisão, dos soldados, das mulheres dos homens. Ninguém que descesse do Cimo da Vila ou a ele subisse se poderia esconder do meu olhar. Aquilo que por aqui não passava era contado, vezes sem conta, pelas mulheres que teciam  meia e com receio que eu ouvisse, falavam baixinho, em sussurro ou murmúrio, lembrando-se do dito 'as pedras têm ouvidos'. 

- Mas por que me contas tudo isso a mim? 

- Porque, até hoje, poucos foram os que repararam em mim. Tu foste o único que me fez perguntas. Agora que sabemos comunicar, poderás continuar a perguntar. Nem imaginas quanto tenho para dizer.

 

 

 

publicado por julmar às 15:44
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

24
25
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Requiescat in pace, João ...

. A mesma história com outr...

. Requiescat in pace, Joaqu...

. Requiescat in pace, Zé Si...

. Bispo D. Tomás Gomes de A...

. Conto de natal

. Requiescat in pace, Alice...

. Jerónimo Osório da Fonsec...

. Cenas da vida real

. O Barroco dos Martírios

.arquivos

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds