Terça-feira, 21 de Março de 2023

Tarde de domingo

VM 006.jpg

Toda a gente, mesmo sem graça, tem a sua graça

Por isso meu pai interrogava

Antes de uma qualquer conversa

Qual é a sua graça?

Manel, Tonho ou Zé, 

Diziam em apresentação

Pois a minha é João

E antes que assunto tratassem

Faziam aturada investigação

A quem pertence vomecê

E vomecê de que terra é

Desafiando parentescos até à sétima geração

Escarafunchando pelo tempo

Chegavam à conclusão 

Que eram parentes, então!

Abeiravam-se do tonel

E de copo de vinho na mão

Celebravam com chalaça

A história da sua graça

Como se cantassem uma canção!

publicado por julmar às 11:23
link | comentar | favorito
Sábado, 18 de Março de 2023

Requiescat in pace, Francisco Cerdeira

trilhos de vilar 014 (2).jpg

Faleceu Francisco Fonseca Cerdeira, filho de José Monteiro Cerdeira e de Elvira Fonseca, nascido em Vila Maior no ano de 1959. Conheço o Chico desde que pisou chão e começou andar pelas ruas da Vila. Teve uma infância igual à de todos nós, era uma criança inteligente como me referia a mãe, a ti Elvira, e a irmã Maria que dele cuidaram toda a vida com desvelo e afeto. A vida trouxe-lhe  complicações de saúde e sofrimento que limitaram  o seu gosto pelo trabalho, a sua natural alegria e boa disposição que nunca deixou de espreitar do fundo do seu olhar. Merece de todos nós louvor e reconhecimento pela forma como desempenhou, com gosto e competência a função de sacristão apesar do esforço físico exigido. Que teria sido de nós ( e como será daqui em diante) se o Chico não tocasse os sinos? Também a vida dele não teria tanto sentido. Uma das facetas do Chico era o humor que se expressava não tanto no dizer mas na forma de olhar. Dizia qugostava sobretudo de tocar a sinal, porque era sinal que ele ainda cá estava. Na última conversa, como noutras anteriores, o Chico queixou-se que lhe doía isto e aquilo e desesperava, anunciando no que dizia que isto já não era vida. Recordaremos o Chico com os seus elementos icónicos (ver fotografia): o olhar, o boné, o apito e o pau. Estamos todos de luto.

Os meu sentidos pêsames à Maria e Zé Carlos, aos sobrinhos e demais família

publicado por julmar às 12:10
link | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Março de 2023

Memórias de infância

Albert TB.JPG

Ao ler este texto do amigo Alberto, que na Vila passou alguns dias, puxou as minhas memórias de infância. Tão parecidas!

«Crescíamos a olhos vistos e o mundo em torno de nós diminuía de dia para dia. Todas as coisas consideradas difíceis de obter, de repente desabavam a nossos pés e ofereciam-se.

Mas rápido tudo se nos quebrava nas mãos, e cada dia, de prova em prova, teima-que-teima, inexperientes, violávamos as esperanças tapadas e fugidias dos nossos recantos secretos. Saldões tímidos, vorazes e avessos nada nem ninguém nos segurava. A vida era, tão-somente, um extenso campo de jogos. Quem é que nos levava a palma, no pino do verão, quando saltávamos nus, à pai Adão, na laje do açudes sobre o riacho junto do moinho do Milagre, onde a maioria da malta se metia a nadar no baixinho e os mais afoitos no “poço” de águas escuras povoado de trutas, sob os olhares curiosos das nossas pequenas admiradores sentadas na borda da carcomida ponte de pau, lembras- te, Alberto?
Para lá do material a muralha que nos separava do segredo das coisas a vida era decerto outra; e, talvez (quem sabe?), Mais simples. O tempo, só o tempo, nos haveria de fazer crescer… Todos os dias-recordo-estalavam palavras novas, ideias padrões e as casas aglomeradas do nosso pequeno burgo (que o tempo memorizou mais do que os milheirais saturados de água e do que os campos arados onde é zero velas a vidas procurado minhocas e outra bicharada), casario cimentado com as nossas invisíveis incógnitas. A nossa vida era ainda ensaio, ânsia de experiência…
 
(…)
“Mas vivíamos sem problemas mentais na liberdade do doce invento de sermos nós próprios. Vivíamos e éramos felizes!… Bons tempos!»
publicado por julmar às 16:56
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. Paisagem humana - A Vila ...

. Jeirinhas e os bois teimo...

. Diário de um bebedor de a...

. Arqueologia - Em busca de...

. Requiescat in pace, João ...

. Verdes são os campos

. Requiescat in pace, Antón...

. De novo, a condessa de Bo...

. Vilar Maior, minha terra ...

. Família Silva Marques

.arquivos

. Junho 2024

. Abril 2024

. Março 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds