Quinta-feira, 21 de Março de 2024

De novo, a condessa de Bobadela

Daqui parti para o mundo. Daqui sempre foi ponto de partida para os que cá tiveram o seu berço. Foram para ´'Além-mar',  o Ultramar  do império colonial de África, da América e da Ásia. Na derrocada do Império, daqui partiram, quase todos, para a França na década de 60 do século XX. Daqui se espalharam pelo Portugal continental, sobretudo, por Lisboa. Ao longo do tempo sempre se partiu. Quase todos regressaram. Alguns por ventura ou desventura não. De resto, é assim a História de Portugal. 

Aqui se construiu a fronteira de Alcanizes, muralha estendida, que nos havia de proteger da cobiça do Reino de Castela e permitir a aventura dos Descobrimentos. Daqui partiram soldados, para a guerra, pedreiros e outros ofícios, homens dispostos a fazer qualquer trabalho, criadas de servir, mangas de alpaca, marçanos em lojas da capital, comerciantes. E, também,  missionários, padres, professores, advogados, médicos, enfermeiros, engenheiros.

Daqui, partiram produtos da terra: carne (vitelos, cabritos, borregos), centeio, vinho, batata, feijão, mel, lâ, linho, linhaça, peles, leite, queijo, ovos, brochas, vassouras de bracejo. Cornachos e outras coisas menores.

E com tudo isto ficavam sempre pobres as gentes. Não por causa da décima, das coimas, dos emolumentos, das congruas e dos bens de alma. É que as terras, sobretudo as melhores terras,  não eram da gente que as trabalhava. Era preciso pagar a renda, em dinheiro ou centeio,  das casas, dos palheiros  e lameiros e em produto "as meias" ou "as terças" do que na terra cultivada colhiam. Senhorios que residiam fora, a maior parte deles em Lisboa, alguns deles que nunca pisaram o chão de Vilar Maior, fossem os Condes Teles da Silva  e suas derivações, os Osórios da Fonseca, os Pessanhas, os proprietários locais, ou a Condessa de Bobadela ( que nos serve de exemplo) daqui levavam as rendas do suor, do sangue e das lágrimas das gentes que por cá ficavam. Por isso, aqui, as gentes pela nobreza da sua terra pagavam um alto preço e, ao contrário de terras vizinhas, os lavradores não passavam da cepa torta, sempre mal remediados. 

E, para fundamentar o que aqui se diz, nada como o registo escrito e já publicado neste blog em 13-12-2021:

Registo de manifesto de hipotecas da administração do concelho do Sabugal (1843 - 1855)

Quem quiser reconstruir um pouco da história de Vilar Maior do século XIX, aqui poderá encontrar elementos de interesse: Registo de hipotecas, sendo as mais frequentes as feitas na sequência de empréstimos de dinheiro e respetivos juros. Vimos, por exemplo a saber, que a viscondessa de Bobadela era senhoria e proprietária da Quinta das Batoquinhas, como podemos ver pela transcrição do registo nº 35

Aos sete dias do mês de janeiro de 1855 pelas duas horas da tarde compareceu perante mim António de Barreiros e Neves escrivão da administração deste conselho de Vilar Maior José Ribeiro Leitão escrivão da Comarca municipal deste conselho, requerendo-me lhe vertesse na qualidade de procurador de José António da Silva da cidade de Viseu o alvará do teor seguinte: dona Ana Joaquina Maria do(??) Henriques Leitão Pina e Mello da Silveira Albuquerque (?) condessa de Bobadella viúva do conde do mesmo título Gomes Freire de Andrade e Castro. Pelo presente meu alvará de meu próprio punho feito e averiguado declaro que recebi do senhor José António da Silva da cidade de Viseu a totalidade e importância de todos os foros atrasados até o ano de 1854 pertencente à Quinta das Batoquinhas situada na Vila de Vilar Maior conselho da cidade da Guarda cuja quinta me pertence na qualidade de senhoria direta que sou da mesma e pela qual se paga do foro a pensão anual de 40 fanegas de centeio na forma de aforamentos a este respeito feitos pelos respetivos foreiros e bem assim recebi do mesmo senhor António Silva mais três anos adiantados os mesmos foros cujos devem vencer nos próximo futuros anos de 1855, 1856, e 1857 na mesma razão das nomeadas 40 fanegas de centeio anuais concedendo o mesmo senhor Silva para cobrança dos mesmos foros atrasados e dos mais três anos que me adiantou como acima de ele autorização para poder cobrar dos foreiros, caseiros ou possuidor da mencionada Quinta das Batoquinhas os foros e rendas atrasadas até que se achem completamente embolsado e satisfeito da importância e totalidade que me adiantou podendo fazer cumprir o pagamento judicialmente se tanto for mister e os respetivo rendeiros ou foreiros concedendo ao mesmo senhor Silva por este mesmo alvará procuração em causa própria com amplos e gerais tudo para o fim de ser embolsado dando-lhe também pleníssima e geral quitação da importância dos mesmos foros até ao futuro ano de 1857 e para sua defesa e a minha lembrança eu passei a presente que terá a forças do artigo quatro 162 da novíssima reforma judiciária. Lisboa 20 dezembro 1854, Condessa de Bobadela

Reconheço original supra"

Assinam José Ribeiro Leitão e António Barreiros e Neves

publicado por julmar às 16:59
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Março de 2024

Vilar Maior, minha terra minha gente, de parabéns!

Cimo da vila 24.jpg

Parabéns à Associação Muralhas de Vilar Maior e a todos que se empenharam na divulgação da  nossa terra e da nossa gente.

E para que conste memória futura,

https://www.facebook.com/beirao.vitoralmeida/videos/1467858307491311

 

publicado por julmar às 17:34
link | comentar | favorito
Terça-feira, 5 de Março de 2024

Família Silva Marques

famíli marques2.jpg

Se tivesse de escolher uma fotografia da família, em que tive a boa ventura de nascer, seria esta. Apesar de lá não estar. Quer dizer, eu estava lá mas dentro do ventre da minha mãe. A fotografia foi tirada no primeiro domingo de setembro de 1950 e eu chegaria na noite do último dia desse ano. Além do pai e da mãe, do mais velho para o mais novo: o Manel, a Natália, a Beta, o Carlos e o João e o Júlio que está e não está. Haveriam de chegar mais dois, a Belita e o Zé Albino. Oito irmãos, constituindo agora a maior irmandade da Vila, todos na terceira idade. Todos Marques de nome de pai já que de nome de mãe, sendo a mesma, uns são Silva, outros Leonardo como lhe era dado. Mas porque o povo na sua soberania linguística, usava dizer Linardo, meu pai decidiu que fossem Silva. 

 

publicado por julmar às 11:19
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Abril 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Jeirinhas e os bois teimo...

. Diário de um bebedor de a...

. Arqueologia - Em busca de...

. Requiescat in pace, João ...

. Verdes são os campos

. Requiescat in pace, Antón...

. De novo, a condessa de Bo...

. Vilar Maior, minha terra ...

. Família Silva Marques

. Emigração, Champigny-sur-...

.arquivos

. Abril 2024

. Março 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds