Quarta-feira, 10 de Abril de 2024

Arqueologia - Em busca de respostas

Atrás da parede do cemitério virada a norte, encontra-se uma pequena colina cujo cume foi aproveitado para a instalação de três cruzes, aquando da representação da Paixão destinada à cena final em que Jesus é crucificado entre os dois ladrões. Trata- se de um local rochoso de onde saíram rochas transformadas em blocos para a edificação das muralhas e/ou da torre de menagem. O local onde foi erigido o atual cemitério junto da igreja em ruínas da Senhora do Castelo (de cujo corpo se usaram as pedras já talhadas para a edificação do cemitério) seria um lugar relativamente plano, quem sabe se um largo em tempos idos onde se realizasse uma feira que como sede de concelho é mais que provável.

Aí se encontram esculpidas na rocha as obras que as imagens retratam

  1. Uma lagareta quadrangular (62x65 e 92x82) com uma profundidade máxima de 8 e mínima de 5 que gera uma inclinação no sentido nordeste sudeste em cujo vértice se encontra uma abertura para escorrimento do líquido, embora não se encontre qualquer pio. Esta abertura não é em cano dada a pequena profundidade.

lagareta2.jpg

(Imagem 1)

2.Do lado direito (quando virados para a torre de menagem), a menos de um metro sobre a mesma rocha, encontra-se uma outra obra que é, geometricamente, um arco de circunferência com 105 com raio de 100. Junto ao vértice do arco encontra-se uma concavidade circular semelhante aos gonzos de porta, que serviria para rolar um eixo. Ao lado deste, uma incisão reta de 15 de comprimento e 2 de largo. Do mesmo lado, no vértice do arco, tem igual incisão com iguais medidas. Tem a mesma inclinação que a lagareta descrita em 1.

lagareta2.jpg

3. A uns quinze metros destas, andando no sentido do castelo, encontra-se incisa numa rocha uma pequena pia quadrangular (cerca de 30 de lado) com uma profundidade de cerca de 10(medidas a confirmar).

(todas as medidas referidas são em centímetros)

Quase sempre, dada a minha falta de formação nestas áreas, tenho muito mais dúvidas do que certezas. Que são resultado de obra humana e não fatores da natureza, não há dúvida e que, portanto, ali estão materializadas, intenções, necessidades, desejos, saberes e tenologia. Que tais obras se enquadram num ecossistema de gente sedentária que por ali viveu em comunidade, não há dúvida.  

Quanto à imagem 1, quadrangular tratar-se-á de uma pequena lagareta e serviria para pisar uvas, fazer vinho. Coloca-se o problema sobre onde armazenavam o vinho e como é que (ou onde) o fermentavam.

Quanto à imagem 2 – Não consigo colocar hipótese, dado sugerir haver um mecanismo qualquer que ali trabalhava. (Tratamento de peles?!)

Quanto a o pequeno recipiente 3 – Poderia tratar-se de uma medida de capacidade para cereais e outras granívoras. 

Devemos ter em conta que o ecossistema natural em que se encontram se não mudou na sua morfologia, mudou muito em termos de fauna, de flora e de recursos hídricos. As encostas do castelo já foram lugares produtivos onde ainda na primeira metade do século XX se cultivava a vinha e que depois da filoxera os proprietários se queixavam depois de terem sido obrigados a arrancar as videiras continuarem a pagar a décima muito elevada. Constava que o melhor vinho provinha da encosta sul e oeste. Nestes terrenos feitos de socalcos desde o sopé até ao cume, quase todos cavados à enxada proliferavam cerejeiras, figueiras, marmeleiros, amendoeiras e nogueiras que produziam em abundância. Também havia recursos hídricos (minas, poços e nascentes) O último poço próximo (40 metros) das imagens de que nos trouxeram a este texto foi soterrado em 2007 quando fizeram o calcetamento da rua que conduz ao parque do castelo.

publicado por julmar às 18:05
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Abril 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Jeirinhas e os bois teimo...

. Diário de um bebedor de a...

. Arqueologia - Em busca de...

. Requiescat in pace, João ...

. Verdes são os campos

. Requiescat in pace, Antón...

. De novo, a condessa de Bo...

. Vilar Maior, minha terra ...

. Família Silva Marques

. Emigração, Champigny-sur-...

.arquivos

. Abril 2024

. Março 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds