Sexta-feira, 30 de Setembro de 2011

TREMOÇOS - VELHO E SABOROSO AMIGO - Dr Leal Freire

            Em homenagem ao senhor Antonio Lucrecio que oferecia os seus jornais, já lidos, às tremoceiras, que os transformava em cartuchos, maiores ou menores, consoante a verba investida.

E arte destas singelas, mas sapientes enriquecedoras da nossa gastronomia, passo a transcrever, com a devida vénia, um estudo, aliás completíssimo, publicado por Paulo Moreira, confrade de honra da Confraria do Bolo, com sede na histórica cidade de Pombal, in Revista Gastronomias.

Então, vejamos:

Conhecido em Portugal como o marisco do Povo, desde longa data que o tremoço marca presença na alimentação e cultura do Homem.

De acordo com alguns autores, os tremoços eram o alimento preferido dos filósofos gregos, principalmente dos cínicos, que andavam sempre com eles.

Conta-se que um pintor grego, Protógenes, do século quarto de antes de Cristo, trabalhou durante sete anos, numa pintura, comendo só tremoços, para que nada mais interferisse com o seu génio criativo.

E nas antigas comédias romanas, os tremoços eram utilizados em cena, para simbolizar o dinheiro.

Já os heróis e generais romanos costumavam oferecer tremoços ao povo em sinal de gratidão e era hábito os tremoços marcarem presença nas mesas mais refinadas.

Conseguimos perceber, apenas com recurso a estes pequenos e curiosos exemplos como os tremoços desempenharam efectivamente um papel preciosissimo na História do Homem e como grangearam grande reputação e prestígio em diversos domínios.

O tremoço tem muito mais do que aquilo que aparenta.

E essa é a sua grande virtude.

O nome ciêntífico do tremoço vulgar, aquele que geralmente comemos e é o mais difundido em Portugal é LUPINUS ALBUS LINEI. E este nome não deixa de ser curioso, pois LUPINUS deriva da palavra latina LUPUS – lobo, provavelmente devido   às semelhanças entre as suas folhas e as pegadas de um lobo.

Já para alguns autores clássicos, como Plínio, tal devia-se ao facto de o tremoceiro ser uma planta voraz para a terra, tal como o lobo é para outros animais

No primeiro dicionário em Língua Portuguesa — Dictionarium Latino Lusitanicum Et Vice Versa  Lusitanico Latinum –1570, de Jerónimo Cardoso, o vocábulo  Lupinus  tanto designa coisa de  lobo ou loba  como  O  TREMOÇO, embora o autor  refira também a existência do vocábulo TRAMOÇO.

O tremoço é cultivado e subespontâneo nas searas, campos e lugares arenosos de Portugal, embora originário do Oriente,

A opinião mais consensual indica que eles são originários da bacia do Mediterrâneo, espalhando-se depois por todas as partes do Mundo.

Das várias espécies de tremoços que podem encontrar-se em Portugal, destaque para o tremoço amarelo, o tremoço azul, o tremoço de folhas estreitas e o tremoço hirsuto,

Nas terras bem irrigadas pelo Nilo, já se criavam tremoços e estes faziam parte  da alimentação quotidiana   no Antigo Egipto, tal como atestam  vestígios arqueológicos, que remontam à décima segunda dinastia dos faraós, cerca de dois  mil anos antes de Cristo.

Os egípcios, tal como os gregos, começaram a cultivar os tremoços com o objectivo de produzirem grãos para a sua alimentação e para alimentar os animais, sendo também utilizados em cosmética e medicina.

E foi a partir da bacia mediterrânica que os tremoços se expandiram em todas as direcções.

Também os romanos os cultivavam e através da extensão do seu império puderam levar o tremoço aos mais inóspitos confins,

Velhos companheiros de longas quimeras, os tremoços muito têm de contar.

Ainda há muito para descobrir sobre as suas propriedades e as suas qualidades.

Não há, por esse País fora, um adro de igreja que não tenha, nas manhãs domingueiras, uma vendedeira de tremoços para alegria da pequenada e desjejum dos mais velhos.

Uma coisa é certa, continuarão a fazer as nossas delícias nas tardes quentes de verão.

 

Gil Vicente, na Nau de Amores espicaçava o gosto:

«Quando dao pao e tremoços

Vinde à Pregaçao»

 

publicado por julmar às 19:19
link | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Feliz Páscoa - Mandar rez...

. Igreja da Senhora do Cast...

. Gente da minha terra

. Manto Branco

. Projeto "Tornar Vilar Mai...

. Quando a festa virou trag...

. A Vila e suas gentes

. Requiescat in pace, Elvir...

. Requiescat in pace, Maria...

. Tornar a Vila numa aldeia...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds