Terça-feira, 25 de Outubro de 2011

E A BATATA, SENHORES! - Dr Leal Freire

Antes do grande êxodo, todas as terras  que  pudessem beneficiar de rega eram afectadas ao cultivo da batata, exceptuadas umas pequenas leiras, mais ricas e cuidadas,  reservadas para a horticultura — couve galega, tomates, pimentos, pepinos e cebolas.

Este tipo de produtos eram efectivamente muito exigentes, tanto que deles se dizia que todos os dias exigiam a presença do cultivador, embora, porém, em menor grau, também a cultura da batata requeria grandes cuidados.

Para começar logo a preparação e estercagem dos solos.

Depois a escolha das sementes, pois como dizia o povo, quem merda semeia, merda colhe.

E até a escolha data de deitar à terra os pequenos fragmentos, que tinham de ter pelo menos um olho, era objecto de análise pela importância atribuida às fases da lua e ao grau de humidade da vessada — se seca, o olho não despontava, se excessivamente húmida, apodrecia.

O doseamento das leiras, a sua inclinação, os regos a marginá-las — tudo  tinha de ser bem pensado

Até porque  ao lado se plantavam alfaces e beterrabas —  as primeiras para consumo precoce, as segundas   para  forragem hibernal, tal como as abóboras, que tinham campo  à parte...

As ervas daninhas eram  cuidadosamente arrancadas, à sacha, primeiro, e, depois, por arranque manual.

Na minha meninice, só havia três variedades — a vermelha, maioritária, a branca, menos abundante, e a riscada, mais rara ainda.

Como semente, usavam-se tubérculos de média dimensão, entre os grossos, para consumo caseiro, ou venda, e a miúda, para os gados, especialmente os porcos.

Para evitar os malefícios  da repetição, trocava-se com os vizinhos.

Os de mais rasgo e posses, aventuravam-se até os Foios, terra de alma para as batatas de semente.

Entretanto, começa a globalização e com ela a vinda de novas variedades do Estrangeiro.

Com a praga do escaravelho, primeiro  apanhado para baldes e queimado, depois combatido pelo DDT, a que o parasita ia ganhando resistências, nos chões encravados entre rochedos e na zona eram a maior parte, foi tempo de abastança para os lagarto luzídios   como unto sem sal.

Mas entretanto, o íncola habituou-se a outras espécies

Veio a rambana — aportuguesamento por aférese  e apócope do nome  verdadeiro

Veio a rancousa, nome epentético.

Veio a especial rosa branca — evocativa do tempo em que o tubérculo se não  comia e se julgava até  pai de enfermidades  e, por isso, colocado na lista das plantas  ornamentais.

É verdade!

Foi necessário que sobreviesse uma época de grandes fomes, para que nós europeus  começássemos a consumi-la.

A exemplo das famílias reais que lhe louvavam o sabor e virtudes e que, para estimular o desejo da prova proíbiam o acesso aos jardins onde o tubérculo se exibia numa profusão de flores.

Passada a crise, a batata cimentara-se já no gosto alimentar da generalidade das   populações e tornou-se mesmo  o produto de maior consumo, o que obrigou  a uma redescoberta   de variedades.

Presentemente, a coqueluche são as batatas selvagens do Peru, as CHUNO, palavra que para os incas significa exactamente batata.

Pois a mama chuno foi desde há dez mil anos a  sua base  alimentar.

E  dizem os sábios que  aquele tipo de batatas nos fornece o quantum satis de vitamina C,  tem poucas calorias  e muita força antioxidante.

Aqui na orla raiana do Sabugal, a batata, para além de alimentar homens e gados foi o principal financiador das populações.

É  um bom agente publicitário do nosso bom nome, pelos milhares de toneladas que concentrada na Freineda, na Ceredira, na estacão da Guarda e no Barracão se disseminavam depois  aquém e além fronteiras, criando armazenistas de tomo e comissários de uma apreciável mediania

publicado por julmar às 11:42
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Feliz Páscoa - Mandar rez...

. Igreja da Senhora do Cast...

. Gente da minha terra

. Manto Branco

. Projeto "Tornar Vilar Mai...

. Quando a festa virou trag...

. A Vila e suas gentes

. Requiescat in pace, Elvir...

. Requiescat in pace, Maria...

. Tornar a Vila numa aldeia...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds