Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2009

Bogalhadas

Bugalho ou bugalha

O Carnaval - adeus ó carne! era comemorado gastronomicamente em Vilar Maior no Domingo Gordo com o bucho cozido mais o toucinho e enchido acompanhado pelo vinho carrascão. Os miúdos pelas ruas de chocalhos, guizas e campaínhas na mão saudavam-no: - Vivó Entrudo!

Alguns folgazões não perdiam a ocasião para parodiarem o que durante o resto do ano eram obrigados a respeitar. 

Lá ia um com o molho de cornos às costas acompanhado de outro que levava os cambos (a tradicional balança com fiel). Chegados junto de um grupo de homens, perguntava: Quem compra os cornos? Dizia um: -Aqui está tudo servido! O outro acertando o fiel da balança: - É tão certo!

A rapaziada aproveitava para fazer partidas e deitar as bogalhadas.

Os novos que não entenderem perguntem aos mais velhos.

publicado por julmar às 21:55
link | comentar | favorito
17 comentários:
De Anónimo a 19 de Fevereiro de 2009 às 16:47
Então tudo mudo e quedo sobre este tema "fracturante" (como agora se diz)?


De Anónimo a 19 de Fevereiro de 2009 às 22:44
Calma aí que se vai abrir o livro............


De "O Vila" a 19 de Fevereiro de 2009 às 22:13
Pois então... Vivóóóóóóóóóóó´entrudo .
Eu confesso que era um pouco medroso e não tinha muito jeito para ir deitar as bogalhadas (que por vezes o pote de barro já não levava somente bogalhas mas já se misturavam uns cacos, sim porque as bogalhas por vezes eram poucas). Sei que há aqui muitos bloguistas que sabem melhor e têm mais jeito para descrever o acto de ir deitar uma bogalhada . Eu apenas sei que se juntava um magote de rapazolas (14/15 anos) e combinavam qual devia ser a vítima. Munidos de um cântaro velho, já sem préstimo por não ter asas, por exemplo. Metidas lá as bogalhas ei-los que se encaminham para a casa previamente selecionada . Porta só com o pincho como era habitual. Um dava um empurrão àquela e após ficar escancarada, o portador "da bomba" arremeçava a bogalhada para o interior que muitas vezes correspondia a pequeno corredor onde as bogalhas rolavam juntamente com os cacos do pote partido. Acto contínuo, toca a dar às de vila diogo para que os moradores não apanhassem algum que viria a pagar por todo o grupo.
Dirão os mais novos: que piada tinha isso??!!.
Naquele tempo não havia play stations e a malta tinha de arranjar coisas que fizessem "mexer" e criar andrenalina ....e havia coisas diferentes para as diversas fases do ano. Na quaresma era esta, o jogo do cântaro, sinos silenciosos substituídos pelas matracas que convidavam os fieis para o terço de que fazia parte a via sacra. Na misericórdia à noitinha lá estavam os garôtos todos à frente e se acaso se gerava brincadeira entre alguns, lá vinha detrás a bengala do sr . Joaquim Ribeiro (Simões?) a atingir a orelha de algum menos precavido e este gesto servia de "ensino" para os restantes.
Muitas mais coisas haveria para contar mas não quero tirar a vez a quem, até melhor que eu, tenha algumas bem interessantes.
Vivóóóóóóóóóóentrudo......


De Anónimo a 23 de Fevereiro de 2009 às 17:23
Joaquim Ribeiro... figura de "cacique" de aldeia que conheci ainda... Explorava os pais e ainda batia nos filhos? Tempos lixados, esses em que para se comer, se calava e ugava ao jugo dos poderosos!


De Anónimo a 19 de Fevereiro de 2009 às 22:22
Ficou-me na memória o facto de alguns anos o Sr. António Seixas percorrer as ruas da vila com o seu burro engalanado com colchas de cores vivas e assim dava-lhes um colorido que as diferenciava dos dias comuns.


De Anónimo a 19 de Fevereiro de 2009 às 22:42
Voltando à via sacra, quando o P.e Narciso não podia estar presente havia sempre a boa vontade e devoção da Sra Elvira Cardosa que percorrendo as diversas estações da via sacra ia contando as palavras que nós, os garotos entendíamos assim: E nesta via sacra se medita e contempéla as quedás quedeu Nosso Senhor Jesus Cristo da casa de Ânas para a casa de Caífas .....segunda estação Jesus cai no lapacheiro ...mas que grande castrastófe os garotos atiram chinas ás suas divinas fácias ....
Naturalmente que nós não nos apercebíamos das verdadeiras palavras e do seu sublime sentido. Não quero com isto melindrar qualquer pessoa, também sou católico, mas de facto na altura a nossa tenra idade não dava para entender o português correcto e o significado das palavras!!!.
É carnaval, ninguém pode levar a mal!!!.


De jarmeleiro a 20 de Fevereiro de 2009 às 17:05
Nunca tinha visto tal coisa. Se as bugalhas pezassem tanto como as maçãs estaria todo avarangado com o peso. e se fossem boletas davam pra cevar um marrano Quem sabe se é na vila.


De Anónimo a 20 de Fevereiro de 2009 às 22:42
Alhos ou bogalhos?


De Jarmeleiro a 21 de Fevereiro de 2009 às 23:32
Se é pra emendar os meus erros , digo-lhe que não vai ter mãos a medir. não lhe vou dar decanço pois ás vezes dou tres e mais erros na mesma palabra.E olhe que não me importo nada.


De Anónimo a 23 de Fevereiro de 2009 às 14:06
Erros meus
Má fortuna,
Amor ardente...

Corrigir o Jarmeleiro!
Valha-nos Deus!
O Jarmeleiro tem uma escrita regionalista e criativa.
Se os gajos do Acordo Ortográfico a conhecessem tinha sido tudo mais fácil e consensual.

E faz bem em não se importar.
Havia aquele gajo que já adulto mijava na cama. O medico receitou-lhe qualquer mézinha.
Passados uns tempos perguntou-lhe o médico como estava, se o remédio estava a fazer bem. Respondeu o doente: Muito bem, continuo a mijar na cama mas já não me importo.


De Jarmeleiro a 23 de Fevereiro de 2009 às 21:42
Bem haja pela sua openião em meu abono. Eu bem sei que há aí esse corretor de erros. Podem-me précurar porque não le sumeto o que escrevo. Não o faço isso por via do que me sucedeu a vez que o fiz. Emendei tudo como lá mandava mas quando fui a ler, as coisas soaram-me tão mal que comessei a matutar que aqule comentário nem era meu. Poderei estar errado mas prás coisas me soarem bem tenho que escrever tal qual como falo. Só me preocupa é que os outros não intendam as minhas ideias que são sempre simples.
A todos uma boa noute .


De Manuel Maria a 25 de Fevereiro de 2009 às 00:00
Quem aqui melhor bota palavra é o Jarameleiro. Nenhum erro. Tudo escorreitinho e como soa o povo.


De anónimo a 21 de Fevereiro de 2009 às 22:42
HAVERÁ CERCA DE 50 ANOS, ERA EU UM MENINO, QUE POUCO COMPREENDIA DAS COISAS MAS RECORDO-ME PERFEITAMENTE, DO QUE ALGUNS MENINOS QUE TERÃO AGORA OS SEUS 70 E TAL ANITOS, DA MALANDRICE QUE FIZERAM AO POBRE DO TI CHICO CUNHA QUE EM VEZ DE METEREM BUGALHAS NO CÂNTARO METERAM, SABEM O QUÊ ? EXCREMENTOS E ÁGUA COM PEDRAS E ATIRARAM O PRESENTE PELA CASA ADENTRO. DIGO POBRE DO TI CHICO CUNHA PORQUE PARA ALÉM DE TER QUE LIMPAR O PRESENTE FICOU COM A FARINHA DE CENTEIO QUE GUARDAVA NA LOJA INTERIOR TODA MOLHADA, E TALVEZ ESTRAGADA, E QUE SERVIRIA PARA FAZER O PÃO TALVEZ DURANTE A PRIMAVERA E O VERÃO SEGUINTES. MAS O QUE EU MELHOR RECORDO É A IMAGEM DO TI CHICO CUNHA PELA RUA FORA COM UMA VARA NAS MÃOS Á PROCURA DE VER ALGUM DAQUELES MENINOS QUE TERIAM ENTÃO OS SEUS 20 E TAL ANITOS. NA ALTURA NÃO PERCEBI QUAL SERIA A INTENÇÃO DO TI CHICO CUNHA MAS HOJE SIM IMAGINO.


De Anónimo a 22 de Fevereiro de 2009 às 10:30
Meninos de vinte e tal anitos?
Tiraram a um pobre velhote, alegremente, o pão da boca durante um ano.
E ainda contam, na terceira pessoa.
De boa massa se fez esta rapaziada vilarmaiorense.


De Anónimo a 22 de Fevereiro de 2009 às 22:02
Vistas bem as coisas, não acredito que toda a farinha se tenha perdido!!!!. O que poderá ter acontecido foi tirar a que estava ao de cima e que mesmo assim foi usada para a vianda dos marranos de tenra idade, pois teriam sido adquiridos lá por Novembro no mercado de Alfaiates ou em qualquer outro das terras vizinhas, para substituir o que na altura, depois de bem cevado, fora morto e já se transformara em mil e uma coisa diferentes para ser consumido ao longo do ano.
Da restante farinha fizeram-se os pães que cozidos no forno aquecido pelas giestas, mataram a fome ao agregado familiar, sozinho ou com o peguilho de um bocado de toucinho ou porção de uma chouriça ou farinheira.


De João que chora a 23 de Fevereiro de 2009 às 22:13
E esta, senhor Jarmeleiro?
E esta?
Fotitu, fotitu Zé Seixas que matate a pita peta ca auga fugenta!
Tradução:
Foste tu, foste tu, Zé Seixas que mataste a pita preta com a água ferrugenta


De Jarmeleiro a 24 de Fevereiro de 2009 às 23:57
Essa tem que se le diga.
Este que acusou o Zé Seixas de matar a galinha, escalhar era ou é preso de fala, ou até poderá ser gago. Ora se ele escrever como fala (como eu faço) a escrita saiu a gaguejar e precisou de tradussão. Inda bem que eu não sou gago.


Comentar post

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Feliz Páscoa - Mandar rez...

. Igreja da Senhora do Cast...

. Gente da minha terra

. Manto Branco

. Projeto "Tornar Vilar Mai...

. Quando a festa virou trag...

. A Vila e suas gentes

. Requiescat in pace, Elvir...

. Requiescat in pace, Maria...

. Tornar a Vila numa aldeia...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds