Terça-feira, 7 de Dezembro de 2021

D. Zézinha - Uma história que vale a pena ler

Recordando a D. Zézinha - VILAR MAIOR, minha terra, minha gente

"Quem não sabe o que lhe acontece puxa pela memória para salvar a interpretação do seu conto, pois não é totalmente infeliz quem puder contar a si mesmo a sua própria história” Maria Zambrano

Já tinha dado conhecimento da existência deste livro no blog, Vilar Maior minha terra minha gente. Recentemente, tive uma longa e agradável conversa com a autora que teve a gentileza de me enviar o livro. No mesmo dia que o recebi, o li. Como um romance que tem um sabor diferente pelo conhecimento direto dos personagens e dos lugares. A história de uma mãe e de um filho, a D. Zézinha e o Alexandre a que se acrescenta o pai, o sr Raul e a Adelina, irmã do Alexandre, falecida na infância. Depois, acrescenta-se a família alargada: Os pais da D. Zézinha e a sua madrinha, dona de uma pensão no Sabugal e que a tomou como a mãe que lhe deu atenção e carinho; os pais e irmãos do senhor Raul, uma família urbana a viver numa comunidade rural. O livro gira à volta da relação de uma mãe rígida e austera que quer o melhor para o filho, que na sua obsessão de o tornar o melhor aluno lhe nega o mais importante: o amor concretizado no carinho e a liberdade materializada no brincar. D. Zézinha colocava acima de tudo a sua profissão desenpenhada no contexto dos valores do Estado Novo.  O livro é uma história dentro da História. Uma história que começa na Primeira Guerra Mundial, no cocheiro que faz o correio da Guarda para o Sabugal, do casamento do cocheiro com Maria da Graça e do nascimento da Maria José que iria ficar orfã aos quatro anos com a mãe a não saber o que fazer à vida. Valeu-lhe a Adelina que tinha a pensão no Sabugal, onde a Maria José cresce a ver aparecer e desaparecer muita gente importante. Fez a quarta classe como aluna tão distinta e ilustrada que anos mais tarde lhe haveria de valer a convocação para regente escolar estreando-se na função na Arrifana do Côa onde, a tão invulgar acontecimento, entre a muita gente que acorreu, se contava Raul Araújo. Ali nasceu um amor cuja união seria celebrada em 1942. E, em parte da casa, da ilustre família Araujo, na Vila, se instalou o casal. Em 1951, nasce o Alexandre, dando continuidade ao nome de seu avô e de seu bisavô. O périplo de D. Zézinha prossegue de aldeia em aldeia, a partir de agora com o Alexandre, na sua missão de ensinar a ler, a escrever e a contar que, juntamente, com a inculcação dos valores Deus, Pátria e Família completariam o currículo. O futuro é indecifrável e o princípio da década de 60 trouxe muitas novidades: D. Zézinha estava agora na escola primária de Vilar Maior, no edifício acabado de construir do Plano Centenário; o Raul, amparado no magro vencimento da regente, farto de vida sem horizonte, fez como os pobres e mal remediados fizeram, deu o salto para França; o Alexandre, finalmente, deixava a mãe, a caminho do seminário de Beja, onde o fui encontrar um ano depois. E o Alexandre, fora da mãe, no seminário, não iria encontrar nem amor, nem liberdade. Não haviam passado dois anos, e o padre Gaudêncio - o reitor do seminário, uma figura distinta que aparecia à hora do recreio a distribuir o correio pelos alunos, cartas que ele já lera, a quem os alunos cumprimentavam beijando a mão, espalhando perfume por onde passava - dava a pior das notícias à mãe: o Alexandre tem de abandonar o seminário porque não tem vocação. Nova fase de vida do Alexandre, agora num colégio interno da Guarda, o Colégio de S. José, dirigido por padres que pouco diferia do seminário. Porém, o Alexandre crescia e contra a rigidez disciplinar ousou experimentar o sabor do desafio e da desobediência. Gostou e criou amigos. 

O princípio da década de 60 também trouxe as guerras do Ultramar que se alimentavam da juventude. D. Zézinha, embora defensora da pátria e do império vivia acabrunhada só de pensar que o seu menino, cada vez mais próximo da idade de soldado, pudesse ir para a guerra. Assim, arquiteta um plano para o Alexandre ir passar as férias a Paris com o pai. Chega e o pai, que não sabia da ida do filho não estava. Levam-no para o grande bairro da lata - Champigny,  e fica incrédulo sobre como é possível viver ali. Depois passa a viver com o pai que trabalhava longe e só o via ao fim de semana. Encontros e desencontros, portas fechadas, outras entreabertas, vai-se acertando com a realidade. 

D. Zezinha, por cá, sem o seu Alexandre, sem o Raul, perde o amor à profissão. Tira o passaporte e vai ter com eles a França. Como é preciso ganhar a vida, mesmo num ofício que não se gosta, tornou-se porteira. 

Uma história que começa nos princípios da República, passa por duas guerras mundiais, por quarenta anos do salazarismo, pelas guerras coloniais, pelo exodo migratório e, felizmente, pelo 25 de Abril.

 

publicado por julmar às 18:21
link | comentar | favorito

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Agosto 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Requiescat in pace, Filom...

. Tornar Vilar Maior uma al...

. O Cimento, sempre

. Parabéns a você, Lúcia

. Requiescat in pace, Josef...

. O Cimento e a sueca

. O Cimento

. Requiescat in pace, José ...

. Um passeio sonoro pelo Va...

. Fotografia da semana - O ...

.arquivos

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

blogs SAPO

.subscrever feeds