Segunda-feira, 31 de Agosto de 2020

Por terras do concelho do Sabugal - Faleiro

faleiro.jpg

Esta é a casa das Amélias, diz o meu companheiro, que por coma da porta esquerda ostenta a data de 1846.

Desde pequeno que ouvia falar do Faleiro e que nas idas à feira da Sacaparte me apontavam:

- Vês?, além é o Faleiro. A isso juntavam conversa que misturava fatos e ficções: Da minha avó Joaquina Monteira que, na altura das ceifas, ia da Vila, com ajuda de mulheres que nos cestos à cabeça levavam o caldo, as batatas, as papas, pão,  chouriço e queijo para o jantar dos ceifeiros; dos bispos (nome ou alcunha de família?) que lá viviam e dos assaltos e roubos dos soldados das invasões francesas; dos tesouros escondidos, dos salteadores.  

Calhou, então, que o Zé Vaz, meu colega de seminário, me convidou a uma visita ao Faleiro, um paraíso na terra, segundo ele. Aproveitámos e recordámos o tempo em que o melhor meio de transporte, aliás o único, para além do pedestre, era o burro, e, na ida para o seminário, manhã tão cedo que tínhamos de nos valer de uma lanterna a petróleo para, caminho da estação da Cerdeira, apanhar o Trama para a Guarda que, daí uma camioneta nos conduziria a Beja. Tudo coisas de um outro mundo, situado nos anos sessenta do século passado. Uma viagem que nunca durava menos de vinte horas. Hoje, estrada de terra batida, de carro fomos ao Faleiro pelo caminho que, a seguir à Ponte do Pereiro, o sinaliza.

sep antr.jpg

Por entre tapadas limitadas por carvalhos  frondosos e lameiros cercados por seculares freixos, parámos antes da entrada do (des)povoado, andámos cerca de cem metros para sul e, depressa, o Zé deu com a primeira sepultura cavada na rocha. Estamos a uma altitude de 760 metros (coordenadas 40-37-34 N/ 6-55-2 O). Esta primeira com a cabeceira um pouco partida e mais duas a uma curta distância; mais alguma poderia por ali estar soterrada. Sepulturas antropomórficas que, para além de toda a simbologia e interpretações, é um sinal seguro de ter sido um lugar eleito pelas condições que proporcionava. O vigor dos freixos e arbustos, a abundância de pastos, a resistência de árvores domésticas abandonadas pelo homem que indiferentes continuam generosamente a oferecer os seus frutos são as provas da tese repetida. A natureza, absolutamente indiferente à indeferença do homem, segue o seu curso. Uma vinha abandonada, junto das casas continua a dar uvas. Uma videira encostou-se a um carvalho e ano, após ano foi engrossando o tronco e as suas gavinas foram-na guiando até aos ramos mais altos. O meu espanto foi encontar um altíssimo carvalho, onde o normal fruto é a bolota, cheio de uvas pretas.

Talvez o entendido que o meu amigo interrogou sobre a origem do nome Faleiro tenha razão. Disse-lhe que poderia vir de Falo e que poderia ser aqui um lugar de cobrição das fêmeas. Assim, aqui acorreriam o criadores da Bismula, Escabralhado e Aldeia da Ribeira com fêmeas em cio (vacas toirondas, cabras e ovelhas saídas, porcas barrondas) para o milagre da criação.

As casas de lavoura de rés do chão e andar, de granito escurecido pelo tempo e de musgo tostado pelo sol, resistiram umas pelo cuidado de preservar os telhados e as portas e de outras restam as paredes. O Zé cuidou das suas que serão metade das existentes e tem alguns projetos, entre eles o de numa delas fazer uma capela, um lugar de oração. 

Não é o paraíso porque Deus Criador não quis. Se o tivesse querido a história do homem teria sido diferente. De todo modo, fico embevecido com estes campos, com este silêncio, com estas casas ... com histórias de vida aqui passadas que ficaram por contar.

O Faleiro aparece cantado pelo maior de todos os poetas raianos, Manuel Leal Freire, assim:

Pedras negras, negrumes de granito
Aos montões esparzidos sobre o húmus…
Aqui parou o tempo, não há rumos,
Só os do vento, tropear maldito.

Nota: No Cadastro da População do Reino de 1527 em que o Faleiro é tido como termo de Vilar Maior tem tês moradores, ou seja, três famílias.

No mesmo documento o Escabralhado aparece com 21moradores quase o dobro de Aldeia da Ribeira que conta com 11 moradores.

publicado por julmar às 08:17
link | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.Memórias de Vilar Maior, minha terra minha gente

.pesquisar

 

.Novembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Escabralhado - Centro de ...

. Nordeste

. Requiescat in pace, José ...

. Rostos da Vila - O Buraco

. Espalhar palavras pela Vi...

. Tornar Vilar Maior uma al...

. Requiescat in pace, Ferna...

. Divulgar as cinco Vilas M...

. Tornar Vilar Maior numa a...

. Tornar Vilar Maior uma al...

.arquivos

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.links

.participar

. participe, leia, divulgue, opine

.

blogs SAPO

.subscrever feeds